Alunos de Humanidades são beneficiários diretos do Livre Mercado – e seria bom alguém avisá-los…

53a-art-is-money

Estudantes de cursos de Humanas são, tradicionalmente, os mais inclinados à Esquerda em qualquer instituição de ensino superior. Frequentar aulas de uma faculdade de Letras, por exemplo – seja em estabelecimento privado ou público –, implica em testemunhar demonstrações diárias e constantes desta deveras ilógica devoção, por meio da qual os maiores (supostos) interessados no avanço do capitalismo pregam a favor do agigantamento do Estado, sempre em nome do “social”.

Este contrassenso resta evidente a partir de uma análise elementar dos fatores que, conforme demonstra a experiência prática, permitem uma maior participação destes profissionais no mercado de trabalho, e torna-se forçoso concluir, pois, que as políticas públicas amparadas por estes jovens, notadamente em manifestações e protestos recentes, representam, em verdade, graves empecilhos para o desempenho de suas atividades após a graduação.

pec-que-pariu

Senão vejamos: um dado indivíduo precisa escolher entre comprar um livro, matricular-se em uma escola de italiano, adquirir tickets para o teatro ou comprar feijão e arroz para pôr na mesa da família. Não se faz necessária muita elucubração para antecipar como esse sujeito irá proceder – se tiver algum juízo, claro. O ser humano, portanto, necessita, em primeiro lugar, manter-se vivo e respirando; em seguida, ele passa a consumir, na medida do possível, itens de importância secundária – e aqui entra (dentre diversos outros segmentos cujo valor gerado podemos considerar como prescindível) toda a indústria do entretenimento, incluindo teatro, cinema, literatura, televisão, viagens, e por aí vai.

Ou seja, para que as pessoas busquem o produto ofertado por uma infindável gama de atividades econômicas sem as quais é possível subsistir (é o caso de boa parte das Ciências Humanas), faz-se necessário que, primeiramente, elas possam garantir suas provisões mais básicas, pois, aí sim, elas estarão em condições de partir em busca daquilo que nos difere dos demais seres vivos: a possibilidade de fazer de nossas vidas algo mais do que simplesmente sobreviver por mais um dia. Apreciar um quadro ou presenciar uma apresentação da orquestra sinfônica são atos que provocam a denominada “fruição estética”, ou, simplesmente, prazer. Mas sentir prazer sem emprego nem sempre é tarefa das mais fáceis.

Dentre deste contexto, a revolução industrial entrou como um divisor de águas, pois a partir da concepção das linhas de montagem e do emprego de novos métodos de produção mais eficientes pelos agentes privados, foi possível passar a oferecer bens das mais diversas naturezas a preços minorados – donde se incluem, também, os alimentos e outros itens de primeira necessidade (inclusive construção de moradias). O comércio globalizado (possibilitado, principalmente, pela evolução dos meios de transporte e comunicação) também contribuiu em muito para reduzir períodos de carestia em diversas partes do planeta, e propiciar ao homem médio, destarte, mais recursos remanescentes de sua renda para investimento em recreação.

A contrario sensu, os episódios nos quais a produção de alimentos foi avocada pelos governantes redundou em milhões de mortes por inanição, tal como sucedeu-se na China de Mao Tsé-Tung e na Etiópia de Mengistu Haile Mariam. Dinheiro para lazer nestes infelizes lugares? Façam-me o favor.

A evolução dos meios de transporte e comunicação, aliás, também possibilitou que povos de diferentes partes do globo passassem a compartilhar seus traços culturais, contribuindo, assim, para reduzir o isolamento de vários deles. Se hoje pessoas de todo canto no planeta podem, por exemplo, ouvir músicas de seu artista favorito muito facilmente pelo Itunes ou até mesmo sonhar em viajar e acompanhar sua turnê, é porque investidores da aviação e da telefonia, ávidos por lucros, empreenderam nestas áreas – e seria ainda melhor para os consumidores se as agências reguladoras, com suas barreiras para entrada de novos investidores, não criassem e protegessem verdadeiros cartéis nestas atividades econômicas.

Sólidas evidências destas constatações revelam-se em momentos de recessão econômica, como o que atravessamos no Brasil desde o estouro da bolha gerada pelo populismo Lulopetista. Diante do endividamento crescente das famílias, é natural que estas abandonem certos hábitos dos tempos de fartura (proporcionada artificialmente com a adoção de métodos Keneysianos¹), que passam a constituir verdadeiros luxos diante do quadro atual. Comprar ingressos para o show daquele artista que tanto bradava contra o “neoliberalismo” em seus tempos de acadêmico torna-se, assim, inviável, bem como muitos outros costumes que precisam ser revistos ou até mesmo cortados da rotina dos cidadãos afetados pela crise financeira.

chico-pc

Pergunte-se, por um instante, quem estaria em melhores condições de frequentar galerias de arte: o faminto povo venezuelano (cuja taxa de mortalidade infantil já superou os números da Síria tomada pela guerra civil há cinco anos), ou os chilenos – que usufruem dos melhores índices de desenvolvimento humano da América do Sul, incluindo mais alta renda per capita, fruto das bases institucionais implantadas e reformas promovidas pelos “Chicago boys” ainda na década de 1980²? E não vale, no caso, comprar obras de arte para lavar dinheiro desviado no Petrolão, hein? Para refletir, pessoal de Humanas…

Constatação similar pode ser feita quando se observa o comportamento da população de países onde a produtividade marginal do trabalho³ é bastante superior à brasileira, como a Alemanha. Como um trabalhador germânico consegue gerar a mesma quantidade de valor que seu congênere brasileiro em muito menos tempo (já que os bens de capital naquele país estão em estágio bem mais avançado), ele dispõe de mais tempo e capital para tomar sua cerveja (em copo de 1 litro) ou para assistir ao jogo do Bayern de Munique. Ou para fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Ou para comprar o que ofertam os investidores do ramo de Humanidades, pois não?

Um dos desdobramentos da atual conjuntura nacional é que, diante da dificuldade em arregimentar fãs para suas produções culturais em períodos adversos como o corrente – e, consequentemente, da carência de patrocinadores interessados –, aumenta a fila de pretendentes ao financiamento estatal, positivado por meio de legislações como a Lei Rouanet, Lei do Audiovisual, e outras da espécie. Em 2015, o valor de tributos renunciados pela União para subsidiar apresentações artísticas superou um bilhão de reais, sendo parcela substancial desta verba destinada a obras de gosto duvidoso – pra dizer o mínimo – que jamais seriam eleitas pelo público, com suas escolhas subjetivas, para sobressaírem-se naquele setor. Tal situação prejudica, em muito, o aprimoramento da indústria da cultura em nosso país (precisamente ao contrário do que propõem, em tese, tais iniciativas governamentais).

No mesmo sentido, o Estado, diante da penúria dos cidadãos (causada por ele próprio, em virtude da tributação desmesurada e do endividamento que gera inflação, combinados com juros altos e desemprego), apresenta como medida paliativa a famigerada meia-entrada, concebida para que estudantes e outros beneficiários (e futuros eleitores) escolhidos a dedo possam “adquirir cultura” – ainda que isso signifique integrar a platéia de um show da Valesca Popozuda. O problema é que, para não arcar com o prejuízo (já que não há almoço nem meio ingresso grátis), as empresas do ramo majoram o preço cobrado dos demais clientes não agraciados com descontos legais.

Com essa elevação do patamar do custo médio para ir, por exemplo, ao cinema, é comum que, após perder o direito ao privilégio, muita gente acabe apelando para a confecção de carteiras de estudante falsas ou mesmo pare de ir ao cinema, passando tal expediente longe, assim, de resolver o problema, e criando um ciclo contínuo em que cada vez mais pessoas demandam isenção em eventos culturais.

 A regra básica, portanto, é essa: quanto mais riqueza circulando na mão do Estado, menos dinheiro na mão da população, e menos recursos privados para qualquer atração cultural – seja para realizá-la, seja para prestigiá-la. É claro que o Estado, benevolente como sempre, vai se oferecer para, aos poucos, bancar tudo “ele mesmo”, apenas pedindo em troca que jamais valores conservadores ou liberais sejam enaltecidos aos olhos dos expectadores, ouvinte ou leitores. Para que correr o risco de deturpar este processo tão salutar (para meia dúzia de apaniguados), não é mesmo? Anote e não esqueça, camarada de Humanidades: Estado mais enxuto, menos impostos, pessoas com mais dinheiro no bolso para gastar em atividades lúdicas, mais potenciais clientes para o seu trabalho.

Na década de 1980, os Titãs popularizaram uma música cujo refrão afirmava que “A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”. Ainda bem que eles admitem que comida vem antes de todo o restante. E esse restante só será acessível ao público em geral se ele parar de ser extorquido ostensivamente do fruto de seu trabalho pelos membros dos esquemas perversos do “capitalismo de quadrilhas” que foi implantado no Brasil. A corrupção, diferente do que o senso comum pode induzir a acreditar, não é um problema original, mas sim um sintoma derivado de outro problema muito maior: o Estado paquidérmico que intervém na economia e arroga-se poder (com nossa concordância, inclusive) para interferir em todos os aspectos de nossas vidas, criando dificuldades para vender facilidades – e gerando reservas de mercado formadas somente por aqueles escolhidos para serem ricos. Fernando Cavendish e Sérgio Cabral estão com as orelhas ardendo a esta hora, por certo.

crony

E até mesmo os cursos de Humanidades cujo profissionais oferecem serviços de utilidade mais palpável, como Administração, Relações Internacionais, Direito e Psicologia, também lograriam benefícios se posicionassem-se, da mesma forma, ao lado do livre mercado, pois atividade econômica aquecida significa mais empresas para administrar, mais contratos para celebrar, mais exportações para serem operacionalizadas, mais pessoas preocupadas com sua saúde mental (já que a subsistência está garantida).

Jornalismo? Bom, aí o buraco é mais embaixo, e este tema foi abordado neste artigo. Em linhas gerais, todavia, é possível concluir que, diferentemente do médico e do engenheiro civil (as pessoas, afinal, sempre precisarão realizar consultas e construir suas casas), o escritor e o ator só sobrevivem se, em primeiro lugar, a sobrevivência dos seus eventuais fregueses estiver assegurada. Por mais que eles gostem de uma boa peça ou ler um bom livro, um teto sobre suas cabeças e um tratamento contra a enfermidade que os assola e às suas famílias vai figurar, inevitavelmente, em posição privilegiada no rol de importância atribuída por estes indivíduos.

Isto é uma realidade inerentemente HUMANA – sem o perdão do trocadilho. Quer que as pessoas desenvolvam o desapego pelo “vil metal”? Ajudemo-las, pois, a superar a mais comezinha das aspirações humanas (continuar vivendo, e com dignidade, se possível), e elas naturalmente passarão a valorar bem mais as atividades prazenteiras das mais diversas naturezas. Neste intuito, em vez de clamar por mais bolsa-família e assistencialismo, contribua para que o Brasil possa vir a melhorar sua vergonhosa 122º posição no ranking da Heritage Foundation, especialmente não votando em candidatos com perfil estatizante. Fiquemos de olho no desempenho dos prefeitos de São Paulo e Porto Alegre nos próximos quatro anos, pois o alinhamento com o ideário liberal deve render bons resultados em suas administrações, e, quem sabe, a partir de 2019, todo o Brasil possa seguir neste rumo.

A liberdade econômica pode ajudar, destarte, as Humanidades a saltarem vários degraus neste índice de primazia dos seres humanos, até mesmo na medida em que a tecnologia barateia e facilita o acesso a livros (e-books), filmes (serviços de streaming) e apresentações artísticas (Youtube). Só que tais inovações não são resultado de inspirações socialistas, companheiros. Muito pelo contrário, aliás. Até mesmo eletricidade para acender uma luz para ler à noite é artigo escasso em certos rincões da Terra com pouco apreço pela autonomia de seus cidadãos…

coreias

¹https://bordinburke.wordpress.com/2016/09/22/bndes-keynes-pt-eike-capitalismo-de-lacos-e-cadeia/

² https://www.institutoliberal.org.br/blog/o-chile-e-sua-aula-de-liberdade-economica/

³ https://www.institutoliberal.org.br/blog/o-mito-da-exploracao-i-a-produtividade-marginal/

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

7 comentários sobre “Alunos de Humanidades são beneficiários diretos do Livre Mercado – e seria bom alguém avisá-los…

  1. Argumentos escorados na lógica, todos muito bem colocados. No entanto, os “alunos de Humanidades” não se guiam (ou são guiados) pela lógica ou pelo bom senso. O problema ali é de ordem psíquica – são histéricos, na acepção da palavra.
    Um abraço.

    Curtir

    1. Pois é Alexandre. É tarefa complicada usar a razão para demover alguém de uma opinião formada a partir da emoção. Esquerdistas SENTEM a esquerda, não racionalizam-na. Mas não custa nada tentar, não é? Abraço

      Curtir

  2. O BRASIL pode SER extraordinário, desde que o PT [e seus satélites] não meta o bico mais.

    Sobretudo sem interferência de uma presidente mulher inábil & inepta de tal gênero como Dilma.

    Há uma quantidade enorme ainha de gente que puxa-saco da inaptidão.

    Mas por aí se compreende a educação & exigência frouxa do brasileiro médio

    [e naturalmente inteligentinhos das atuais Universidades brasileiras públicas — mas esse “mistério” requer um futuro estudo robusto para se entender…]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s