Funcionário Público Liberal: Pode isso, Arnaldo?

Recebi o seguinte questionamento de um leitor do website do Instituto Mises Brasil (IMB):

questionamento

Comecemos pelo princípio: O liberalismo clássico professa que, em uma determinada sociedade, o mercado deve desempenhar papel preponderante sobre o Estado – e não o contrário, como ora ocorre em nosso país. Com os partidários de tal linha de pensamento eu procuro ombrear esforços na dura empreitada de mudar a mentalidade assistencialista de nosso povo – muito embora minha orientação seja mais condizente com o conservadorismo, o qual também postula um governo enxuto, mas não se fia em mudanças repentinas e abruptas, e preconiza o respeito (e não o engessamento, bom que se diga) aos valores e às tradições transmitidos por gerações anteriores.

Libertários e anarcocapitalistas, a seu turno, creem que a ordem espontânea e a livre transação entre os indivíduos são suficientes para produzir todo e qualquer bem demandado pelas pessoas – o que, portanto, dispensaria por completo a existência do Estado (inclusive suas forças armadas, polícias, Judiciário, e tudo o mais). Em relação a esses liberais, reconheço a importância de seu discurso na medida em que ele desloca vigorosamente o debate político para a direita, tal qual faz o PC do B, por exemplo, para o lado esquerdo. E só. Seus argumentos são muito bons, mas seus pontos de vista mais extremados, a meu ver, não resistem à aplicação prática (esse tema dá muito pano para manga, e, por isso, limito-me aqui a simplesmente discordar dos adeptos destas correntes, sem tecer maiores considerações). Basicamente, não compartilho da convicção de que “imposto é roubo” – mas que imposto demais é imoral, isso é.

lib

Assim não fosse meu posicionamento, e meu blog não teria como epíteto “½ liberal, ½ conservador e 0/0 esquerda”.  Ou seja, receber honorários provenientes de impostos e fazer parte do quadro de empregados estatal não costuma tirar meu sono, a não ser por uma diversa gama de fatores que passo a enumerar, e por conta de seus desdobramentos, aí sim, muitos brasileiros, com certeza, passam noites em claro – o que, por sinal, motiva-me a redigir um artigo madrugada adentro, como hoje, por exemplo. Quem sabe mais funcionários públicos se condoem com tal empenho e sofrem uma epifania, pois não?

A garantia do cumprimento de contratos firmados livremente entre duas ou mais partes, bem como o direito de propriedade, é sagrada para os liberais. É, pois, a segurança jurídica que permite que pessoas poupem para investir no longo prazo. E uma das facetas desta indispensável condição para o desenvolvimento econômico de uma nação é, justamente, a correta observação das cláusulas dos contratos de trabalho acordados entre empregados e empregadores. O trabalhador entrega seu tempo e energia em prol de um empreendimento confiando que receberá, em retorno, uma contraprestação, pecuniária ou na forma de utilidades em geral, previamente ajustada, verbalmente ou por escrito, com o empreendedor – e, em função de tal, assume compromissos financeiros e planeja suas contas.  Caso assim não ocorra, podemos estar diante de uma fraude.

Se João aceitou trabalhar 44 horas semanais por R$2.000 mensais, mas precisa laborar além desta jornada regular de forma habitual, sem por esta prorrogação de horário ser remunerado, e sendo impedido até mesmo de registrar tal fato em seu controle de ponto, temos uma fraude contratual constatada.

Se todas as faturas de Pedro vencem no dia dez de cada mês, mas ele recebe seu salário apenas no dia vinte há tempos, e, ainda por cima, é instado a declarar, em seu comprovante de pagamento de salário, que sua remuneração foi quitada na data correta, temos uma fraude contratual constatada.

Acreditem, tais situações são extremamente comuns nas relações laborais no Brasil. Foram apenas dois exemplos bem corriqueiros, mas que fique claro que, sem a polícia administrativa para vigiar o cumprimento desses contratos de trabalho (inclusive em ações fiscais deflagradas por solicitação dos próprios contratados prejudicados), inúmeros Pedros e Joãos irão arcar, eles mesmos, com a conta do risco da atividade empresarial, e acabarão por abarrotar, tão logo sejam desligados de suas respectivas empresas, as salas de audiência da Justiça do Trabalho. É claro que, constantemente, o judiciário trabalhista puxa demais a brasa para o lado dos reclamantes, e a inspeção do trabalho idem, mas a polícia judiciária (Civil, PM  e Federal) também comete excessos por vezes, e nem por isso deixa de ser necessária.

Em algum momento, o contratante que frustrou as expectativas do contratado precisa responder por sua intrujice, indenizando a parte lesada. Ou isso, ou estamos na casa da mãe Joana – o que não condiz com os preceitos liberais de forma alguma. Se alguém vende gato por lebre, desrespeita o direito de propriedade, atentando contra o que foi previamente pactuado, e gerando instabilidade generalizada. Não por acaso, todos os países signatários da convenção nº 81 da Organização Internacional do Trabalho mantém em seus quadros funcionais inspetores do trabalho – e, neste rol, figuram nações notórias por sua liberdade econômica, como Singapura e Hong Kong.

ilo-singapore

É claro que, com elevada frequência (no momento que atravessamos, inclusive), os empregadores não logram cumprir os contratos firmados com seus empregados porque o estado em que se encontra nossa economia os estrangulou de tal forma que não lhes resta alternativa. Em tempos de bust após o aquecimento forçado dos índices econômicos durante anos a fio, sob o jugo de governos “desenvolvimentistas” e seus entusiastas da Keynesianismo, não pagar o 13º salário ou deixar de efetuar os recolhimentos devidos ao FGTS virou lugar comum – não por menoscabo dos empresários, mas sim porque uma parcela significativa deles está tentando, a duras penas, manter ativas suas companhias.

Certamente nem todos logram sucesso em seus esforços de reestabelecimento, e muitos precisam, pois, enxugar sua folha de pagamentos – fato facilmente observável no ofício deste escriba, e que, em larga medida, o forçou a observar esta conjuntura pelo ângulo liberal. Quando a realidade fala, as ideologias de esquerda abaixam as orelhas, já diz o provérbio.

E eis porque acredito que seria benéfico que a livre negociação entre entidades representativas patronais e dos trabalhadores pudesse prevalecer sobre a legislação pátria, principalmente no intuito de reduzir o desemprego e proporcionar uma menor incidência de inadimplemento de contratos de trabalho, tal como acima referido. Muito se fala em garantir direitos conquistados e evitar retrocessos, mas a melhora sustentável das condições de trabalho no Brasil somente se dará a partir do incremento da produtividade nacional.

Senão vejamos: se o trabalhador alemão labora, em média, 1.378 horas por ano, ao passo que seu congênere brasileiro trabalha em média 1.723 horas anuais, é porque na Alemanha um trabalhador produz US$61,5 por hora de trabalho, enquanto Brasil seu correspondente produz US$16,4 no mesmo lapso temporal, ou seja, a produtividade do Fritz é 3,75 superior a do Pedro e do João, possibilitando ao germânico mais lazer e qualidade de vida – e, claro, uma renda per capita bem superior.

Mas tal discrepância não se deve unicamente a fatores ligados ao trabalhador (como educação e qualificação profissional), mas está, outrossim, intimamente ligada à evolução dos bens de capital (máquinas e demais meios de produção e logística) disponibilizados pelo empregador – o que influencia, inclusive, nos níveis de segurança e saúde nos postos de trabalho.  E enquanto nosso desenvolvimento econômico seguir atravancado por leis com as quais nem mesmo países já desenvolvidos podem se dar ao luxo de contar, dentre outros obstáculos ao empreendedorismo, vai ficar difícil imaginar esta evolução ocorrendo.

Alguém pode estar, eventualmente, perguntando-se por que Pedro e João simplesmente não pediram demissão, já que estavam descontentes com os reais termos de seus contratos laborais. Ora, porque o número de pessoas ofertando a própria mão de obra no mercado de trabalho, em relação à correspondente demanda, costuma ser muito desfavorável a quem está distribuindo currículos, pelo motivo de sempre: empreender no Brasil é uma verdadeira aventura por uma selva de regulações e burocracias desnecessárias para abrir, fechar e manter o estabelecimento funcionando; juros altos; pesada e complexa carga tributária; intervencionismo estatal desmesurado, e por aí vai.

Se, portanto, desejamos que Pedro e João possam pleitear disposições contratuais mais favoráveis, é necessário possibilitar que exista um cenário onde várias empresas demandam sua mão de obra. Caso contrário, eles serão apenas mais dois em meio a tantos milhões de desempregados e subempregados, e precisarão aderir a quaisquer condições impostas pelo empregador – é isso ou ficar sem dinheiro algum no bolso. Esta é a realidade, por sinal, dos trabalhadores que se submetem a condições degradantes, quase sub-humanas, nos rincões do Brasil: dividir a cocheira com o cavalo ou comer alimento de procedência duvidosa é refresco perto de ficar sem sustento. Se há alguém explorando, é porque existe outro alguém que acha que ser explorado é melhor do que a inanição.

Neste caso, focar apenas no “vigiar e punir” constitui, em verdade, enxugar gelo – assertiva fartamente comprovada pelo alto número de trabalhadores que, depois de resgatados des condições precárias de vivência, retornam, em pouco tempo, ao mesmo local pedindo emprego novamente. Se não tem tu, vai tu mesmo, diz a sabedoria popular. De pouco adianta todo o aparato estatal para salvaguardar a dignidade dos indivíduos no ambiente de trabalho se eles não puderem ter trabalho. Interessante notar que “progressistas” costumam apregoar que o foco no combate à criminalidade não deve ser feito com viés punitivo, e sim focado na prevenção, mas o mesmo, aparentemente, não se aplica às relações laborais. Não por acaso, os índices de trabalho infantil, sem registro e em condições análogas à escravidão nas regiões Sul e Sudeste são menores do que os verificados nos restante do país – e isto não é uma coincidência.

E é com esperanças de que mudanças nesta conjuntura venham a acontecer que procuro engendrar esforços junto aos demais correligionários do liberalismo. Enquanto elas não vem, não resta muito mais a fazer, pois os atos administrativos são, em sua maioria, vinculados, ou seja, devem ser praticados diante de determinadas situações fáticas, independente da vontade do agente público. É como um policial que, ao constatar que um homicídio foi cometido por um bandido de 16 anos, gostaria muito, motivado por suas crenças, de encarcerá-lo, mas, diante do ordenamento pátrio, deve apenas limitar-se a apreendê-lo, para que seja submetido a medidas “socioeducativas”.

Tal qual o renomado sargento Fahur, que usa sua mídia social para convencer as autoridades da necessidade de endurecer a legislação penal, ou como a professora Paula Marisa, que usa seu canal no Youtube para mostrar como a Educação no Brasil está deseducando nossos filhos, ou ainda como Sergio Renato de Mello, Defensor Público que empresta seu conhecimento e sua visão de mundo ao Instituto Liberal, estamos todos no mesmo barco: queremos promover mudanças, mas elas não virão (diretamente) por nossas mãos. O máximo que podemos fazer é subsidiar com informações aqueles que detém, de fato, tal poder: o povo.

Não se trata, portanto, de pessoas incoerentes ou ingratas com o ganha-pão, mas sim de indivíduos que querem fazer seu trabalho de forma mais benéfica para a população. Contraditório, sim, é socialista de Iphone, aluno de Humanas criticando o livre mercado ou padre de igreja católica sentando o malho no conservadorismo. Estes mereceriam a internação compulsória.

   padrepadre-i

Não sei se foi a intenção do leitor inquiridor, mas talvez ele deva se perguntar porque não pedimos exoneração de nossos cargos e vamos trabalhar na iniciativa privada. Bom, convém começar ressaltando que, conforme é sabido, a ascensão das bandeiras liberais e conservadoras é um fenômeno extremamente recente em nosso país. Como bem explica Bruno Garshagen em sua obra “Pare de acreditar no governo”, a tradição populista brasileira remonta o período do descobrimento. Daí que um funcionário público que, em idade avançada, após uma vida inteira sem interessar-me muito em política, descobre, do dia para a noite, que estava andando na direção errada, não tem como consertar a trajetória com uma guinada brusca – não, ao menos, sem prejudicar aqueles que dele dependem financeiramente.

Gerações consecutivas inteiras de brasileiros viram no Estado a solução para seus problemas – não por preguiça, mas por força das circunstâncias. Se meu pai, após décadas de labuta como motorista de caminhão, ao observar-me com 18 anos, apenas um curso técnico nas mãos e muita dificuldade de trabalhar, aconselhou-me a prestar concurso para sargento da FAB, não foi por malandragem, mas sim porque, desde sempre, o setor privado está aos frangalhos – experimentando raros intervalos de crescimento artificial, que cobram a conta ali na frente. E qual pai, diante deste “dilema”, não vai preferir que o filho navegue por mares mais tranquilos que aqueles por ele enfrentados?

Posso garantir que muitas pessoas que passaram por ciclos semelhantes e hoje são funcionários públicos querem dar sua contribuição para que o país se livre da praga do esquerdismo – alguns, inclusive, já fizeram contato comigo, tanto para parabenizar-me como para indagar como poderiam ajudar. Bom, não vai ser pedindo demissão para lhes “aliviar a consciência”, isso é possível dizer com certeza – até porque, agindo desta forma, sobrariam apenas esquerdistas na administração pública. Aí veríamos o tamanho do estrago.

juiz-ee

Mas é de se indagar: seriam estes funcionários públicos liberais “masoquistas”, autoflageladores? Estariam cavando a cova de suas categorias profissionais ao abraçarem este ideário? Sim e não. É provável e natural que, com o avanço do liberalismo econômico, mais dinheiro circule na iniciativa privada, em detrimento do setor público. Com isso, restará impossível manter a realidade atual, na qual a média salarial do primeiro anda bem mais baixa que a do segundo – para não mencionar uma extensa gama de privilégios adicionais.

Todavia, ninguém vive em uma bolha. A partir deste momento, será possível sonhar com menos desemprego, inflação e juros mais baixos, menos violência urbana; enfim, o mundo a nossa volta poderá estar muito melhor – tal qual sucedeu-se recentemente em países como Irlanda e Nova Zelândia, que investiram nesta fórmula. Pode ser que para aqueles que trabalham para o Estado melhore menos, mas para quem, em princípio, não está sujeito às oscilações do mercado, acho que não dá para reclamar.

Ou seja, este suposto temor de sofrer prejuízos no curto prazo é compensado (e muito) pela fé no avanço de todos os índices de desenvolvimento humano do país. Para melhor visualizar a cena, basta comparar a vida de um funcionário de alto escalão do governo venezuelano com as condições do mais subalterno dos funcionários de Nova York: quem será que está melhor na fita?

Ademais, os funcionários públicos de diversos estados e municípios do Brasil já aprenderam, da pior forma possível, que a crise econômica pode até demorar mais para bater sua porta, mas ela, fatalmente, acaba chegando e derrubando a casa – gaúchos, cariocas e mineiros que o digam. E para esta onda chegar à União Federal, pode até demorar mais (já que esta concentra 70% dos tributos arrecadados no país e, claro, pode imprimir dinheiro e contrair empréstimos com o setor privado), mas água mole em pedra dura…

Mas para quem ainda acredita que a resposta para o título deste artigo é não, faço outro questionamento: vão desprezar esta ajuda na busca por um Brasil menos focado no governo? Tudo bem então, mas vou precisar dizer que você, provavelmente, está mais preocupado em discursar bonito do que com os resultados efetivos advindos de sua ideologia. Sinto ter causado um bug em seu sistema operacional e não ter corroborado com sua ladainha de que “funcionário público é tudo corporativista de esquerda”.

Eu quero é ver João e Pedro felizes, pois da felicidade deles depende a minha também – somos todos parte de vários organismos vivos, os quais precisamos integrar durante nossas existências. Não há como o coração seguir batendo se o fígado fraquejar.  Não pense que não há, por motivos muito semelhantes, funcionários públicos americanos que apoiam o partido Republicano. E acho pouco provável que seu voto e suporte seja dispensado pelo GOP.

Antes de fazer este julgamento, sugiro, ainda, o seguinte exercício de imaginação: a sua frente está a família da qual você é arrimo, a sua direita um cargo público, e a esquerda o desemprego herdado da era lulopetista. Vai deixar sua família na pior para defender, com unhas e dentes, suas ideias? Até mesmo Friedrich Hayek trabalhou – e por muito tempo – para o setor público, conforme declara Nicholas Wapshott. Alguém aí pensando em rasgar sua cópia de “Caminho da Servidão”?

Ah, você ainda não trabalha nem tem família pra sustentar…então deixa pra lá.

Não sou maluco, nem metido a bonzinho, nem ingrato, nem incoerente. Só quero que o país melhore, ainda que melhore menos para funcionários públicos, e mais para o João e o Pedro. E sei que não posso fazer isso apenas com meu trabalho – ao menos, não de forma duradoura. E se algum libertário partidário da opinião de que mesmo este serviço deveria ser feito apenas por particulares – como já ocorre com empresas certificadoras de ISO, por exemplo – estiver lendo, eu espero que, se algum dia isso se tornar realidade, possamos trabalhar juntos, ajudando a promover uma vida mais digna a pessoas simples e humildes.

Ganhando dinheiro em troca, claro (bitcoin, possivelmente). Aliás, esta é uma boa ocasião para uma dica: parem de chamar seus empregados de colaboradores. É um eufemismo tão ridículo quanto chamar pagador de impostos de contribuinte. As pessoas trabalham em busca da subsistência e do devido reconhecimento, e colaboram voluntariamente com amigos e parentes, vez por outra. Colaborador sou eu agora, escrevendo isso tudo sem ganhar um tostão em troca. Mas ainda assim acho que vale a pena. Pela mesma lógica, Servidor público é patético também; é funcionário e pronto!

PS: a imensa maioria dos meus colegas é de esquerda, sim, e respeito muito seus posicionamentos e seu trabalho. Não é tarefa fácil desintoxicar-se do marxismo cultural, e atacá-los não resolverá o problema – até porque eles já estão sendo atacados até por um velho ídolo…

ricardo-b

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

34 comentários sobre “Funcionário Público Liberal: Pode isso, Arnaldo?

  1. De certa maneira, o conservadorismo funciona como base de sustentação moral do liberalismo. Dito de outro modo, o liberalismo, no limite, levaria à sua própria dissolução – pois não existe liberdade sem valores e instituições sólidos. (Aliás, levaria à dissolução as fronteiras nacionais!)
    É perfeitamente possível – e seria mesmo desejável – que funcionários públicos sejam liberais, conservadores, enfim, de direita. Basta que se tenha em conta o papel que deve ser reservado ao Estado.
    Um abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Bom dia Alexandre!

      Gostaria apenas de fazer uma pequena “salvaguarda”. É muito comum se referir ao liberalismo tendo como princípio sua forma mais extremista e nefasta, conhecida como Anarco capitalismo.

      Tenha em mente que alguém que se diz libertário sujeita-se a seguinte definição atemporal: “Aquele que se inspira em doutrinas preconizadoras da liberdade”. A partir desta definição, associada aos grandes autores do liberalismo surgiu outros “adjetivos” para os libertários (principalmente após Rothbard), e comumente, somos todos colocados dentro de um grande saco, injustamente e sem diferenciação. Para exemplificar, considero-me um Minarquista, contrário ao aborto e a liberação de drogas sintéticas. Tudo isso baseado em princípios libertários.

      Quanto ao conservadorismo, não acredito que esse seja a fonte moral do individuo, e sim o contrario. Dificilmente chamar-se conservador é intitular-se “moral”. Portanto qualquer lado espectro politico pode detê-la, desde que essa seja proveniente do individuo (difícil imaginar isso na esquerda politica).

      Curtir

      1. Oi, Miguel.

        Sim, eu sei que o termo liberalismo (e seus derivados) causa muita confusão. Mas eu não disse que a “moral” está (somente) com o conservadorismo, eu disse que são os conservadores aqueles que mais prezam pelas referências morais e culturais. Sem elas, a liberdade é autofágica, na minha opinião. Por outro lado, conservadorismo (ceticismo) demais atrapalha.

        Todos somos um pouco liberais e conservadores.

        Um abraço.

        Curtir

  2. Caros amigos,

    Meu pai foi empreendedor e minha mãe é professora estadual há mais de 35 anos. Minha mãe hoje está sendo paga pelo estado do RS de forma parcelada. Aquele estado que me ensinaram na escola era o “celeiro do Brasil”, melhor qualidade de vida, etc. Isso claro, lá na década de 80. Hoje, o que se fala é que o RS gasta mais do que arrecada, e que isso ocorre há mais de 40 anos! Como mentiam para a gente na escola né?

    O meu pai empresário, já falecido, sempre me aconselhava: “meu filho estuda pra ser funcionário público, para trabalhar pouco e ganhar bastante”. Apesar de parecer, meu pai não estava proferindo que funcionário público no Brasil era sinônimo de… (desculpe o termo tá?) vagabundo. De maneira alguma meu pai menosprezava a esposa como funcionária pública, cujo salário que vinha do Estado garantia o sustento do lar com três filhos (em tempos de hiperinflação), quando o nosso pequeno negócio falhava. E, ainda, que tipo de pai vai desejar que o filho viesse a se tornar um ops… vagabundo?

    Meu pai me aconselhava com aquilo porque ele já sabia que, como bem colocou Luciano Pires em seu Podcast (http://www.portalcafebrasil.com.br/podcasts/525-empreende-dor/), citando o texto do advogado Rafael Rosset em sua página no Facebook: no Brasil “tudo a todo momento grita para que você não crie, não empreenda, não empregue. Se acumulou algum capital, seja rentista. Se tem uma boa educação, seja funcionário público”.

    E o que eu fiz hein? Ao invés de cursar Direito, como meu pai queria, cursei Administração! Quando se é jovem, na casa dos 20, é fácil se ver como imbatível mesmo com toda selvageria da nossa economia. Pensem comigo, quem coloca um negócio para quebrar? Qualquer um que empreende é porque acredita que vai vencer, nem que seja no final! Afinal, quem não conhece a história daquele cara que não tinha nada e hoje é um bilionário? Se ele pode você também pode! Não, não pode.

    Hoje, depois de ter quebrado a cara como empreendedor, ganho a vida como colaborador (ops!) em uma empresa do setor privado. Mas, se hoje não sou funcionário público, não foi por falta de tentativa, ok? Afinal, não sou mais o imbatível de vinte e poucos, além disso, tenho um lar com mulher e filho para proteger.

    A propósito, quero deixar meus parabéns por este e pelos demais posts. São fantásticos!

    Abraços.

    Curtir

  3. Recebi o post por e-mail e o li com “F11 on”, pra não ser incomodado. Este é o único bloq que recebo em meu e-mail e leio todos os posts, pois o Ricardo escreve maravilhosamente bem, ao ponto de, com sua lucidez, me fazer acreditar num Brasil melhor a longo prazo.

    Curtir

  4. Vim aqui através do link que você postou na Reaçonaria. Tenho pensamento e posição bastante parecidos com os seus, Ricardo. Também sou funcionário público (por força das circunstâncias) e torço para um mercado com mais liberdade e competitividade. Gostaria de saber o que você pensa sobre o parcelamento e uso do solo urbano (majoritariamente estas áreas estão sob jurisdição do Município) e qual a visão liberal do assunto.

    Curtir

  5. Caro Ricardo,

    Passei aqui apenas pra deixar meu testemunho de que você não é o único. Também sou funcionário público (Analista na RFB) e descobri as ideias liberais – as quais abracei prontamente – depois de ter passado no disputado concurso da RFB.
    De início passei por vários conflitos internos, mas os superei baseado em conclusões semelhantes as que você listou no seu artigo, e continuo estudando pra alcançar meu cargo almejado: auditor-fiscal da RFB.
    Também enfrento preconceitos dos colegas, em sua ampla maioria petistas/esquerdistas. Alguns até esquerdopatas. Relevo… pois também já fui de esquerda e acho que cada um tem o seu momento, o seu timing… o fato é que quando eles descobrirem o liberalismo e o quanto a aplicação das ideias liberais pode contribuir pra retirar milhões da miséria e enriquecer nosso país, certamente também migrarão pro lado de cá.
    Deixo um forte abraço pra você.

    Curtir

      1. Aliás, você, provavelmente, gostaria que nossa carga tributária fosse menos pesada e complexa, correto? Eis a importância de haver liberais e conservadores na RFB e demais órgãos, especialmente sefor em cargos de influência política, como secretário da Receita.

        Curtir

    1. Que bela defesa do liberalismo!

      Além de já ser FP, pretende ir prum cargo ainda mais anti-liberalismo que é o de fiscal (cobrador de impostos).

      Seja honesto e diga que tu apenas conhece os princípios liberais, mas não que tu seja liberal.

      Se realmente tu fosse liberal tu empreenderia, ou iria pra iniciativa privada, ou ficaria no cargo que esta.

      Curtir

      1. Se tu achas que cobrar e fiscalizar o pagamento de impostos – sem considerar aqui a esquizofrenia de nossa legislação tributária – é errado “de per si”, tu estás mais para um libertário ou anarcocapitalista. Obrigado por comentar.

        Curtir

      2. Oi Pedro,

        Sim… sou honesto. Tanto materialmente, quanto intelectualmente.
        Confesso aqui que já fui esquerdista e apoiador do PT (por ignorância). Pulei fora do barco na época do mensalão (2005), onde ficou claro pra mim qual era a essência do partido.
        Anos a frente, deparei-me com as ideias liberais e comecei a ler desenfreadamente sobre o assunto e aí minha cabeça ferveu…. eu já era funcionário público e ao primeiro contato com essas ideias senti um impulso de pedir exoneração. Mas, contive-me por ter filhos que dependem de mim.
        Nesta época parei com os estudos e perdi uma das oportunidades de me tornar auditor… o concurso passou pela minha frente e eu não estava preparado… aos poucos, com mais leitura e mais reflexão, cheguei a conclusões semelhantes as apresentadas pelo Ricardo neste artigo. De fato não me identifico com a teoria libertária, nem anarcocapitalista. A exemplo do Ricardo, sou a favor de um estado enxuto, mas existente e presente em áreas essenciais. E para que este Estado exista, necessário que haja uma fonte de financiamento…e portanto, necessário que exista a RFB.
        Nota: sou totalmente contrário ao abuso que temos hoje por meio da tributação excessiva…. mas não vou entrar nesse ponto pq o Ricardo já falou de forma brilhante sobre isso.

        Por fim, meu caro amigo Pedro… além de FP sou um empreendedor também. Antes de entrar no serviço público, trabalhei por anos na iniciativa privada e mesmo depois de passar no concurso, não abandonei o mercado em definitivo. Tenho uma pequena empresa em sociedade com minha esposa. Ela é a gerente-administrativa e eu dou apoio nas horas vagas.
        Fomos muito afetados pela crise e hoje só não fechamos as portas aumentando ainda mais o desemprego porque conseguimos renegociar dívidas com credores… enfim, estamos lutando pra sobreviver. Dessa forma, caro Pedro, recomendo cautela nas suas críticas, ok?

        PS: Ricardo, respondendo a sua pergunta. Sim, gostaria muito que nossa carga tributária fosse simplificada e reduzida. Sempre me perguntei, até antes de entrar na RFB, por que a necessidade de se criar um regime SIMPLES… ora, isso é a admissão por parte do estado que a sua carga tributária é complexa… então, já que o problema é reconhecido pelo próprio governo, por que não se criar um “SIMPLESZÃO” pra facilitar a vida de todos – pequenas e grandes empresas?

        Abraços

        Curtido por 1 pessoa

  6. Bordin,

    Ok, tu é FP, fiscal do trabalho (justiceiro social do governo).

    Entretanto, tu tá longe de ser um liberal (ou meio liberal como consta no subtítulo do blog).

    Usou o Hayek, que até pode ter tido algum cargo “público”, mas sempre atuou na área acadêmica ou de defesa dos ideais liberais. Nunca li nada dele trabalhando como cobrar de impostos, fiscalizador de regras “trabalhistas”.
    Ainda citou até convenção da OIT, uma entidade esquerdista e estatista.

    De boa, pare de se enganar e assuma ser um conservador intervencionista que fica melhor.

    Abraço!

    Curtir

      1. Liberal e libertário são a mesma coisa.
        Como tu deve saber, os esquerdistas dos EUA se apropriaram do termo “liberals”, então os liberais de lá se intitularam “libertarians”.

        E não sou contra impostos. Mas, vamos combinar que alguém se dizer liberal e ainda por cima querer se tornar um cobrador de impostos é incoerente. O cara, já FP, se dizendo liberal, ao invés de pensar em tentar algum empreendimento (nem que seja em turno inverso ao do trabalho) prefere ficar estudando pra ser fiscal!

        Curtir

      2. Meu velho, até mesmos nos países com mais liberdade econômica há funcionários públicos. A diferença é que são em muito menor número, ganham menos que os trabalhadores da iniciativa privada e possuem bem menos privilégios. E eu aceito todos esses “prejuízos” para ver a economia do Brasil mais liberal – e melhor para todos. Se melhorar bastante, o setor privado ficará mais atrativo que o público, e irá atrair boa parte dos atuais concurseiros. Mas nem todos: alguns pode querer trabalhar para o governo, mesmo diante da nova conjuntura. Sem problemas, mas certamente não serão estáveis e ganharão menos – e viverão num país melhor. Era isso.

        Curtido por 1 pessoa

    1. Pedro,

      Tua falação soa como se a solução fosse abandonar nossos empregos e empresas (públicas e privadas) e começar a revolução, ora se juntando a milhões de empregados e empregadores na informalidade, ora se escondendo no mato à moda Che e Fidel.

      Não esqueças que apesar do fato de estarmos aqui navegando em busca de entendimento da nossa complexa sociedade, seguimos sendo meros indivíduos com necessidades básicas a serem supridas, conforme a pirâmide de Maslow.

      Abraço.

      Curtir

  7. Prezados,

    Em nenhum momento critiquei o funcionalismo público.

    Em nenhum momento, também, declarei ser contrário a impostos, e, mais adiante ainda, aos Estados.

    Primeiramente critiquei o usuário Alexandre. E a crítica foi especifica ao comentário dele de se declarar um liberal, mas almejando se tornar auditor-fiscal, isso sem falar que ele já é funcionário público. Esta errado ele em quer ser fiscal? Não acho, mas vamos combinar que é bem incoerente com o perfil de alguém que se diz liberal. Essa é a crítica.

    Posteriormente, critiquei o autor do blog Ricardo, argumentando que ele também se diz liberal (ou meio liberal como consta no subtítulo do blog) ao mesmo tempo que é fiscal do trabalho (que na minha opinião é um cargo de justiceiro social) usando como argumentos em defesa convenções da OIT (uma entidade seguidamente usada pelos socialistas para defender a intervenção do Estado) e um cargo público de Hayek.

    Indo um pouco além no assuto, todos sabemoa que aqui neste país tudo ainda envolve o Estado. Desde o grande empresário capitalista-esperto que usa dinheiro subsidiado, passando pela atrativa carreira da boquinha do funcionalismo público, chegando na mesada estatal do bolsa família.

    Retomando, de forma mais geral, a minha critica foi em relação aos argumentos utilizados e não às pessoas e suas escolhas. Todo mundo tem contas a pagar (e muitos família e filhos), e a tendência é querer um emprego com salário bom e estável. Só isso, na minha opinião, é um argumento simples, honesto e direto pra justificar a escolha pelo funcionalismo público.

    Abraço!

    Curtir

  8. A questão levantada é mais uma estratégia de demonização do funcionário público que não é de esquerda, ou seja, prática comum desta, quando se depara com alguém que pensa diferente dela. A esquerda vive em dissonância cognitiva. Outras perguntas semelhantes seriam: se você é mulher, como você não odeia os homens? Se você é funcionário público, como você não odeia as ideias de direita? E por aí vai… Esse é o grande lance da esquerda, negar a realidade através do ódio e assim construir seus robôs.

    A título de curiosidade: levando em consideração a tal pergunta, argumentos esquerdistas e o conceito de servidor público no sentido geral, logo, amplo(lato senso) podemos afirmar que se um conservador não pode ser funcionário público por ser conservador, logo, o Trump não pode assumir a presidência! O cara vai virar funcionário público!

    Da mesma forma, se consideramos incongruente o indivíduo se dizer conservador/liberal e desejar exercer uma função pública como servidor público, estamos defendendo que, exclusivamente, só esquerdistas devem ser funcionários públicos. Sendo assim, apenas esquerdistas devem ser deputados, juízes, ministros, presidente, fiscais… Começa assim, para depois desconsiderar até o cidadão que não é de esquerda. É esse tipo de raciocínio que levou a execução de milhões de pessoas ao logo do século XX.

    Curtido por 1 pessoa

  9. Fico feliz por ver este texto, e tomara que os liberais do Brasil amadureçam suas ideias e percebam que o papel do funcionário público sempre será necessário, mesmo que futuramente seja um emprego mais austero e com menos regalias e atribuições.

    Parabéns! Ganhou mais um leitor para seu blog!

    Curtir

  10. Estive de férias em janeiro, e só hoje, vi esse texto. Também sou FP, e pior, sou Fiscal. E também sou 1/2 liberal, 1/2 conservador.

    Parei de acompanhar o site do IL por causa dos constantes ataques aos FP. No mo IMB há tanto ataque assim (ao menos nos artigos, já na seção de comentários….).

    O que poucos entendem é que não há contradição em um FP liberal, simplesmente porque um liberal pode vender a sua força de trabalho para quem quiser, inclusive o Governo. Também não é imoral, pois a moralidade depende do cumprimento do contrato.

    Ademais, é como disseste, conhecemos a máquina por dentro, e podemos ajustá-la, influenciá-la, enfim, podemos trabalhar de forma que ela atrapalhe menos. Não foram poucas as vezes em que defendi ideias mais liberais dentro do meu serviço de fiscalização: Não para que eu trabalhasse menos, mas para que meu trabalho atrapalhasse menos quem quer, de fato, empreender, e perturbasse quem quer se aproveitar de terceiros.

    Por fim, também tenho casa, esposa, filhos… E, como homem, preciso sustentá-los. O mundo não é um desenho dos Ursinhos Carinhosos com arco-íris, nuvens de algodão doce e árvores de pirulitos e que passamos o dia todo cantando e brincando. É um mundo “noir”, com várias zonas “gris” ondeem sempre há uma definição clara e precisa de “certo e errado”, de “moral e imoral”. E apenas extremistas – sejam estes liberais, conservadores ou esquerdistas, não importa – é que não entendem isso.

    Curtido por 2 pessoas

  11. TAMBÉM SOU FUNCIONÁRIO PUBLICO LIBERAL, PASSEI EM PRIMEIRO LUGAR (PARA UMA ÚNICA VAGA OFERECIDA) NO CONCURSO, OU SEJA, MÉRITO PRÓPRIO, NÃO FUI O PRIMEIRO A ESTÁ NA PORTA DA CASA DO PREFEITO PARA ESMOLAR EMPREGO!
    Gostaria também de sugerir ao autor do blog uma outra matéria com o seguinte título: POBRE E LIBERAL, PODE ISSO MINHA GENTE. Pois esquerdistas (acessando e digitando num smartfone) acham que pelo fato de a pessoa ser pobre necessariamente tem que ser socialista/comunista…rsrrsrsr…chega até ser piada!!!

    Curtir

  12. “Ou seja, este suposto temor de sofrer prejuízos no curto prazo é compensado (e muito)
    pela fé no avanço de todos os índices de desenvolvimento humano do país. ”

    Esse trecho descreve exatamente o que eu um outro colega, ambos funcionários públicos, debatemos e concordamos.
    Parabéns por toda sua colocação e saiba que como funcionária pública liberal com costume moral conservador, não me sinto já tão no limbo após descobrir seu blog. Quando quero desanuviar
    a cabeça das ideias marxista e costumes morais progressistas que me rodeiam, venho dar uma clareada no seu blog.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s