O Inimigo do meu Inimigo nem sempre é meu Amigo. Ou: Intervenção Militar? Não, Obrigado!

frase-senhor-proteja-me-dos-meus-amigos-que-dos-meus-inimigos-cuido-eu-voltaire-118568

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil no início dos anos 1960, Lincoln Gordon, teria premeditado a John F. Kennedy que, caso a esquerda lograsse sucesso em sua ambicionada “revolução do proletariado”, nosso país não seria uma nova Cuba, mas sim uma China em pleno hemisfério Ocidental, dadas as dimensões do país e a capacidade que este teria para alimentar o movimento marxista mundo afora – como o PT acabou fazendo, mais tarde, com o auxílio de grandes empreiteiras e outros capitalistas de Estado, mandando dinheiro de nossos pagadores de impostos para ditaduras socialistas, conforme já previam as diretrizes do abjeto Foro de São Paulo.

E é por cobrir de razão o diplomata americano neste episódio que acredito que todo brasileiro deveria, ao menos uma vez na vida, agradecer ostensivamente aos servidores públicos que usam verde-oliva. Em um período no qual guerrilhas e atentados pipocavam por todo lado, sequestros e bombas incorporavam-se à rotina brasileira, e a escalada do comunismo parecia irrefreável, o maior projeto já montado pela esquerda na América foi derrocado de forma contundente, atendendo ao clamor popular de milhões de cidadãos apreensivos com o avanço vermelho, e sem baixas consideráveis (que se pudessem lamentar, ao menos). É verdade que a guerra de narrativas, travada especialmente nas universidades, eles perderam de lavada, mas convenhamos que, trinta anos depois da redemocratização, ainda não conseguimos propiciar a nossos estudantes uma escola sem partido – o que deixa claro, portanto, que esta é tarefa das mais complicadas.

E é por entender o papel crucial das forças armadas neste relevante capítulo de nossa história que recomendo a todos – especialmente aos afobados que invadiram a Câmara dos Deputados ontem, pedindo intervenção militar uma vez mais: não atirem com uma bazuca contra um inimigo raquítico e armado de canivete, dentro de uma sala fechada de dez metros quadrados. O resultado pode surpreender negativamente o deflagrador da arma…

screenshot_2016-11-17-02-01-48-1

Será mesmo que há necessidade, no atual cenário, de invocar o artigo 142 da carta magna, cuja redação determina que às forças armadas cabe garantir a lei e da ordem? Este comando constitucional, passível de inúmeras interpretações e enquadramentos, tal a subjetividade de seus termos, deveria ser empregado de forma restritiva, ou seja, tão somente como último e derradeiro recurso, quando restasse pouca ou nenhuma esperança de resolução de um grave conflito de abrangência nacional e que ponha em risco o próprio Estado de Direito.

A Venezuela, por exemplo, gostaria muito, por certo, de lançar mão deste artifício para livrar-se de Maduro e seu autoproclamado “socialismo do século XXI”, mas nem isso os infelizes podem fazer, pois Chávez é oriundo da caserna, e, por isso, os homens de farda do nosso desventurado vizinho preferem seguir fomentando a convulsão social.

Mas é de se questionar se em pleno ano de 2016, aquele que ficará marcado na história por derrotas sucessivas e vexatórias da esquerda, em nível nacional e internacional, precisaríamos mesmo apelar de tal forma desesperada. Brexit, acordo com as Farc reprovado, Impeachment, PT varrido nas urnas, Trump, Liberais e Conservadores vendendo livros e recebendo cliques como nunca, Freixo morrendo abraçado com os artistas da Globo, Lavajato prendendo a torto e a direito (e mirando corruptos dos mais diversos partidos, derrubando por terra o argumento da perseguição política); não, não há como concordar com esses afoitos ávidos por ver Generais comandando o Planalto.

uploads%2f1479335469477-ronaldo-caiado

Não que aquele professor de História que dá aula com a boina do Che não queira, viu? Se esses correligionários “progressistas” já estão ensinando seus alunos que o impedimento de Dilma foi golpe (e outros ardilosos já publicaram livros sobre o tema antes mesmo da consumação do fato), imagina se, de fato, o governo civil fosse apeado do poder pelos agentes castrenses. Seria o sonho para os perpetradores da ideologia do vitimismo, pois consistiria na garantia de mais algumas décadas pela frente vencendo eleições sob o argumento falacioso de que teriam “lutado pela democracia” destipaíz. Este filme de novo não, sejamos mais espertos e menos precipitados, pelamordedeus.

E outra: em um momento no qual um candidato é eleito prefeito da maior cidade do Brasil, no 1º turno e com votação recorde, muito por conta de seu histórico de gestor de sucesso na iniciativa privada e discurso liberal (com direito a privatizações e concessões no pacote), ou seja, quando parece que, finalmente, a população brasileira começa a entender que a solução é menos governo, abrindo caminho para candidatos com este perfil para 2018, vamos decidir voltar para a estaca zero? Eu mesmo já tentei transmitir esta mensagem¹ em abril do corrente ano, mas não custa repetir:

“Minha afirmação está assentada, primeiramente, no fato de que o Brasil nunca foi administrado por um governo liberal ou conservador – as duas principais correntes de pensamento da Direita. Engana-se quem pensou nos governos militares: sob a ótica gerencial, eles apresentaram diversos pontos em comum com as administrações de esquerda, uma vez que eram coletivistas, contrários ao livre mercado, criaram inúmeras empresas estatais, e interferiram profundamente na economia.

screenshot_2016-11-17-01-21-46-1

Trabalhei bastante tempo na Aeronáutica para saber que os militares, como administradores, são ótimos profissionais da guerra. Presenciei tudo aquilo que criticamos costumeiramente em nossos políticos, desde desperdícios de verba pública em gastos de validade duvidosa, até alocação de recursos humanos escassos de forma pouco racional, passando por transações financeiras no mínimo suspeitas, tudo quase sempre em detrimento da eficiência – especialmente em atividades críticas, como o controle de tráfego aéreo².

 Tenho a sensação que este pessoal que invadiu o parlamento na capital federal foi insuflado, de alguma forma, pela desastrosa declaração de Michel Temer no programa Roda Viva, no qual ele afirma que a prisão de Lula poderia causar instabilidade no Brasil. Que boca santa, hein, presidente: gerou em muitos a sensação de que haveria um esquema obsceno para salvar Luiz Inácio da cadeia e que o impeachment, destarte, teria sido trocar seis por meia dúzia – o que está muito longe de ser verdade³.

screenshot_2016-11-17-01-20-06-1

Não é para tanto, muito embora tenha sido bastante infeliz a frase.  Não entendam mal Michel Temer: ele é a pessoa errada, no lugar errado, tentando fazer algumas coisas certas – como a PEC do teto de gastos e a reforma do ensino médio. Jamais será ele o estadista que permitirá ao país dar a arrancada definitiva na direção do desenvolvimento sustentável. Ele é da mesma safra de políticos a qual pertencem Renan Calheiros e companhia salafrária – não à toa, foi eleito conjuntamente com Dilma. Se até 2018 deixar um legado de austeridade, já estará de bom tamanho. Os próximos e decisivos passos virão a partir de 2019, quando, espero, um presidente adepto de práticas mais liberais possa assumir o Planalto, juntamente com um congresso menos esquerdista. E assim vamos, gradativamente, saindo do atoleiro em que nos metemos. Isso, claro, se não estivermos sob intervenção militar…

E isto tudo no mesmo dia em que um “patriarca opressor” mata o próprio filho por, supostamente, estar indignado com sua participação em invasões do patrimônio público. Que prato cheio para a intelligentzia passar os próximos meses debatendo – sem tirar o pé de suas mansões, claro.

screenshot_2016-11-17-01-23-51-1

¹ http://rodrigoconstantino.com/artigos/esquerda-ou-direita-tanto-faz-sera-ou-o-problema-e-esquerda-sim/

² https://bordinburke.wordpress.com/2016/07/18/o-salario-como-preco-do-trabalho-e-a-crise-aerea-de-20062007/

³ http://rodrigoconstantino.com/artigos/ha-pouca-escolha-entre-macas-podres-mas-ha/

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

9 comentários sobre “O Inimigo do meu Inimigo nem sempre é meu Amigo. Ou: Intervenção Militar? Não, Obrigado!

  1. Eu gosto de analogias.

    Imagine que uma pessoa tem câncer. Ela se submete a diversas sessões de quimioterapia com todos os benefícios e também os efeitos colaterais inerentes. Após longos meses de batalha, o câncer desaparece e a pessoa está “curada”.

    Algum tempo depois, essa mesma pessoa sofre de uma infecção, uma dor de garganta mal tratada que acabou evoluindo. Não faz sentido nenhum tratar essa pessoa com novas sessões de quimioterapia. Aquele foi um remédio amargo, desagradável, mas necessário/útil para aquele outro momento. Hoje a realidade é outra, a doença é outra e o tratamento deve ser outro.

    O óbvio, às vezes, é o menos óbvio!

    Curtir

  2. No Brasil o ponto fulcral é a Educação de base.
    Essa é a questão primordial… A RAIZ. E não Aécio ou PMDB, ou Cabral, ou Dino etc. Ou mulher-madame que confunde bandeira estilizada do Japão junto a do Brasil [simbolizando a longa amizade entre os 2 povos!] com símbolo comunista dando gafe para os blogs pró-petismo “montar em cima”.

    Bom… Além… Da saúde… A Educação!

    A EDUCAÇÃO, OH!, ¡ZERO! Nota zero! 13 anos de Petismo e enganação! As enganações em blogs aparelhados pela ideologia do Petismo, não-independentes, e de ideologia UNI-DIMENSIONAL…

    Bom…, e abonados por:

    Vá a casa de seus amigos professores da Universidade. Das HUMANAS. Encontre no restaurante seus colegas artistas, músicos moderninhos cancioneiros, amigas atrizinhas de teatro… Marque uma janta… Com os INTELECTUAIZINHOS… [Eis aí a roda da fortuna que move toda essas discussões que giram em torno de apenas a linguagem… Dicotomias linguísticas… Apreciadas por petistas espertos.].

    Você, com grande chance estará diante de in-te-li-gen-tinhos!!

    Eis:
    OS INTELIGENTINHOS do PE-TIS-MO, DA SOCIEDADE CIVIL — estudantes, professores universitários, jornalistas, cineastas, artistas, blogueiros, cantorzinhos tipo Chico BUARQUE etc.

    Nesse JANTAR DE INTELIGENTINHOS faça o seguinte:

    «Chegue num jantar de inteligentinhos e, por exemplo, defenda a LAVA-JATO ou o IMPEACHMENT. Haha. Você vai VER o que vai acontecer com você, né? Vão olhar TORTO pra você achando que, de repente, você é dono de um banco, alguém assim! E não alguém que trabalha duro para sobreviver e, por isso, SEMPRE desconfia de quem não o faz.»

    Outros inteligentinhos:

    Além de REQUIÃO:
    Haddad (intelectualzinho unidimensional uspiano);
    Coração Valente;
    João Santana;
    DINO, do Maranhão, PCdoB!
    Ciro Gomes, sem dúdida! Do PDT. Etc. etc. etc.

    Curtir

  3. Olá, Ricardo!

    Primeiramente, parabéns pelas análises e opiniões. São, no mínimo, interessantes pra mim.

    Sobre o texto, discordo quanto tu diz “o maior projeto já montado pela esquerda na América foi derrocado de forma contundente”. Será que a década de 60 foi o maior projeto socialista na América Latina? Acho que a última década é que foi o ápice da “tomada” socialista por aqui. Veja quantos populistas de esquerda chegaram ao poder ao mesmo tempo: Lula, Chávez, Morales, Bachelet, clã dos Kirchner, Correa, Lugo, Mujica.
    As Forças Armadas são uma instituição imprescindível, mas este dogma da direita brasileira de o “contra-golpe” de 64 era a única solução é muito questionável.
    No mais, um abraço!

    Curtir

    1. Posso dar uma opinião um pouco diferente do contexto citado? É uma opinião de família, cujo meu avô, militar, já a possuía na época do chamado “contra-golpe” de 64. Meu avô afirmava que o “golpe” não era, necessariamente, para evitar que as esquerdas da época implantassem o comunismo no Brasil. Dizia ele que o maior objetivo do golpe era, na realidade, impedir a ascensão da direita política, que estava ganhando força, principalmente nas vozes poderosas de Carlos Lacerda, Ademar de Barros, Otto Maria Carpeaux. Tanto que se formos analisar friamente as consequências políticas do período militar, é notório constatar que a direita política foi varrida do cenário, mas a esquerda manteve-se firme e forte, tomando conta do que, para nós, é óbvio hoje: a educação e a mídia.

      Meu avô sempre afirmou: aqueles militares que assumiram o poder em 64 se aproveitaram de uma chance somente. A questão de João Goulart com os comunistas era, obviamente, o álibi oficial, mas a verdadeira motivação fora a preocupação de que Carlos Lacerda pudesse tomar as rédeas do poder na nação e direcioná-la a caminhos muito diferentes daqueles que o positivismo que imperava (e ainda impera!) no meio militar ditava.

      O período militar, se levarmos em conta TODO ele, não foi algo homogêneo no sentido de orientação política. Me atrevo a dizer que foi um regime militar de esquerda… moderada. Por exemplo, Geisel que adotou uma guinada radical à esquerda, com políticas socializantes da qual pagamos o prejuízo até hoje, além de tolerar a corrupção a níveis quase iguais aos atuais, além de permitir, e pior: incentivar a cultura anti-americana ao mesmo tempo que ajudou Cuba a invadir Angola, um genocídio que não fez menos de 100 mil vítimas. O que havia iniciado com Castelo Branco, um agente político bem mais prático e conservador, que trouxe ao Brasil a modernidade e o saneamento das atividades políticas comunistas que estavam destroçando o Brasil, sem sufocar as liberdades para chegar em Geisel, outro agente do mesmo seio, mas com visões completamente diferentes do primeiro.

      Para mim, meu pai e meu avô, o regime militar, na sua essência e totalidade, foi o álibi perfeito para o que veio depois. Um álibi que sabia seu lugar no contexto histórico ao mesmo tempo que também sabia quando sua utilidade terminaria perante o propósito do qual fazia parte.

      Por incrível que pareça, as esquerdas atuais foram o sonho daqueles militares: uma esquerda socialdemocrática desprovida de ambições revolucionárias. Não é exatamente o tipo de esquerdas que temos hoje?

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s