Nós já Vimos este Filme em 2014 – e Não Tem Graça Alguma, América!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vinte e seis de outubro de 2014, vinte horas; um país inteiro parado aguardava o resultado da eleição presidencial, a mais disputada da democracia brasileira até então; informações vazadas do TSE davam conta de que Aécio Neves havia disparado na frente da contagem e, em seguida, tão logo se encerrara a apuração do Sul e do Sudeste, Dilma teria saltado em seu encalço; e dito e feito: tenho gravado na retina até hoje a reação da jornalista da Globonews diante dos primeiros números, um misto de alegria e alívio evidente e indisfarçável.

O PT, por muito pouco, havia garantido sua manutenção no cargo máximo da República por dezesseis anos consecutivos (no mínimo), e a perspectiva de que Lula voltaria em 2018 para mais dois mandatos era aterrorizadora e irremediável. Nesse meio tempo, seríamos reduzidos a uma Venezuela sem Miss Universo – já estava sendo preparado o terreno para a “regulação da mídia” e para a implantação dos “conselhos populares” em órgãos da administração pública, e tudo levava a crer que mais três ministros do STF seriam nomeados por Dilma (antes da aprovação da PEC da bengala).

Tudo isso correu pelas sinapses dos brasileiros lúcidos em uma fração de segundos. Só um milagre nos salvaria dali para frente – e ele veio, sob a alcunha de Lava-jato. Sim, esta operação não apenas inaugurou uma nova era de combate à impunidade, como contribuiu decisivamente, junto com a chegada do bust da economia (após alguns anos do boom de juro farto e barato iludindo a massa), para criar o ambiente propício para o Impeachment. Pois não é que, pouco mais de dois anos após este episódio lúgubre da política nacional, cujos desdobramentos se arrastam até hoje, é possível que os americanos vivenciem acontecimentos muito semelhantes nas eleições deste oito de novembro? Quem viver verá. Se a América (como a conhecemos) logrará sobreviver a esses eventos, aí são outros quinhentos (dólares).

(Possível) vitória apertada de uma mulher de esquerda inspirada em revolucionários: a dona Wanda, em sua juventude, lutava pela implantação de uma ditadura do proletariado no Brasil, influenciada pelo incendiário livro “A Revolução da Revolução”, do marxista francês Régis Debray, que difundia o “foquismo” – a teoria da guerrilha de pequenos grupos, os focos, para expropriar e violentar a burguesia. Participou, dentre outras peripécias, de três assaltos a bancos. Hillary Clinton, a seu turno, teve como guru ideológico o satanista Saul Alinsky, de cujo entendimento destoava apenas por acreditar que poderia mudar o sistema por dentro (quase como uma discussão entre Bolcheviques e Mencheviques). Ambas, em sua campanhas eleitorais, rejeitaram seu passado subversivo, preferindo posar de paladinas da democracia. No caso Brazuca, a realidade se impôs, eventualmente, sobre Dilma, mas sua companheira “estadunidense” ainda conta com a distorção dos fatos em seu favor, e faz uso da cartada sexista sem nenhuma reserva. “Está na hora de uma mulher governar este país”, diziam por aqui; e agora repetem por lá.

cwik3dxxcaewnpk

A capa da Veja versus a “surpresa de outubro”: A dois dias da eleição presidencial de 2014, esgotava-se rapidamente nas bancas a revista que ostentava na capa uma novidade nem tão surpreendente, e que viria a ser confirmada a posteriori: Lula e Dilma “sabiam de tudo” (do esquema do Petrolão). O impacto só não foi maior porque o prazo era exíguo até o compromisso com as urnas, e os rostos estampados na histórica edição acabaram se dando bem. Já a corrida pela Casa Branca foi apimentada, nas últimas semanas, pela chamada “october surprise”, quando o FBI resolveu reabrir a investigação contra Clinton pelo episódio dos e-mails trocados (e deletados) quando ela era Secretária de Estado. Tal fator, somado à avalanche de revelações do Wikileaks, deu sobrevida a Donald Trump, e alavancou seu desempenho nas pesquisas, gerando uma incrível reviravolta – que está deixando irrequietos muitos Democratas, a tal ponto que a segurança do empresário foi reforçada pelo serviço secreto. Se esta alteração de cenário será suficiente para que ele seja anunciado pela Foxnews como novo presidente, em breve saberemos.

As crises econômicas represadas (até a eleição): Preços de gasolina e eletricidade congelados pelo governo petista desde que a “marolinha” esnobada por Lula deu as caras por aqui permitiram a redução artificial da inflação durante um período considerável, e criaram uma bola de neve financeira que precisaria deslizar pela encosta (e pelo lombo dos mais pobres) em algum momento – depois da reeleição de Dilma, melhor dizendo. Naquele ano eleitoral, os gastos com programas como FIES, Minha Casa Minha Vida, bolsa-família e outros assistencialismos estatais estouraram, e precisaram ser reduzidos drasticamente logo após o resultado das urnas. Os juros baixos subsidiados pelos bancos públicos também prestaram um grande (des)serviço durante o processo decisório dos eleitores, e logo em seguida foi necessário tesourá-los.

Com o mesmo intuito de dar uma forcinha para a camarada Hillary, o Federal Reserve vem mantendo a taxa básica de juros entre 0,25% e 0,50%, e já anunciou que, em sua próxima reunião, ela deve ser elevada – após oito de novembro, claro. O cada vez mais dispendioso Obamacare (que parece que vai precisar ser submetido a teste de paternidade em breve) e o crescente número de americanos recebendo vale-refeição estatal caracterizam, da mesma forma, uso do Tesouro Nacional e endividamento do Estado com fins politiqueiros. Após o último voto ser contabilizado, o “dique” que segura esta aparente calmaria na economia deve ceder, e a avalanche que se seguirá deve mostrar se os Estados Unidos são, de fato, too big to fail.

Sistema eleitoral em cheque: Tal qual procederam os Democratas no ano 2000 (muito embora eles pareçam ter esquecido disso) e os Tucanos em 2014, os Republicanos ameaçam recorrer à suprema corte e requerer recontagem de votos em caso de derrota, tendo em vista inúmeras fraudes relatadas desde que a votação começou em alguns estados – tais quais imigrantes ilegais registrando-se para votar e pacotes com milhares de votos oriundos do mesmo endereço. Nossas caríssimas urnas venezuelanas não inspiram muita confiança na população, e o sistema descentralizado americano não goza de reputação muito melhor, de maneira que a decisão sobre quem leva a melhor nesta disputa eleitoral pode acabar ficando até mesmo para um tribunal estadual — um grupo de sete ministros do Tribunal Superior da Flórida, por exemplo, pode vir a decretar quem será o próximo presidente dos Estados Unidos, caso o resultado da contagem de votos por lá levante suspeitas e a Suprema Corte não resolva o impasse.

Impeachment (ou pior) à vista: Restam poucas dúvidas de que Hillary pode ter a legitimidade de seu cargo contestada pela bancada Republicana no congresso americano em caso de vitória, tal qual ocorreu por estas bandas. Se por aqui a petição baseou-se nos crimes de responsabilidade, lá o cardápio é bem mais variado, e inclui desde denúncias de corrupção (envolvendo a fundação Clinton) quanto obstrução de justiça. Menos mal que a tradição americana manda o presidente renunciar em casos do gênero; se assim se der, não haverá tanta enrolação até a troca no comando do país. Outra possibilidade de Clinton não cumprir seu mandato faz menção a sua saúde: há razões para crer que ela não teria condições físicas de cumprir todos os compromissos inerentes à função – tal qual se questionava, em 2010, se o câncer superado por Dilma não seria um empecilho para sua candidatura (tendo ficado provado, mais tarde, que a saúde de Vana era o menor de seus problemas, e o mesmo se aplica, por certo, a Hillary). Restaria saber, no caso em tela, se Tim Kaine, escalado como vice na chapa Democrata para captar o voto mais “progressista”, que optou por seu rival nas primárias, Bernie Sanders, não consistiria em uma ementa ainda pior do que o soneto.

cwhufyhvqaau-jo

Há pouca escolha entre maçãs podres, mas há: Se Aécio Neves estava longe de ser um santo, era uma alternativa menos estatizante ao modelo bolivariano implantado pelo PT no Brasil. Todas as medidas saneadoras aplicadas por Temer desde sua posse poderiam estar em vigor desde janeiro de 2015, e o gosto do remédio amargo já estaria dando lugar, a esta altura, aos efeitos benéficos da austeridade fiscal. No mesmo sentido, Trump entoa, frequentemente, argumentos de validade questionável, mas representa uma opção bem mais alinhada aos princípios que tanta prosperidade trouxeram àquela nação. Se o Brasil pretende, desde a saída pela porta dos fundos de Dilma, alçar voos comerciais bem mais altos que o tacanho Mercosul, Trump também promete rever acordos internacionais firmados pela Estados Unidos na época de Bill Clinton. “Se não tem tu, vai tu mesmo”, como diz o provérbio.

Os artistas perdem a vergonha: Se o pessoal receoso de ficar sem a grana fácil da lei Rouanet empenhou-se para reeleger o PT, atores e músicos americanos também resolveram encampar a luta contra o “fascista” Trump, gravando um clipe em que pedem votos para Hillary – o que gerou este vídeo irônico como resposta:

https://www.youtube.com/watch?v=hC5zr_Ml-wE

O “Nós contra Eles” insuflado pelo populista-mor: Estou falando de Lula, mas poderia tranquilamente estar falando de Obama. Fomentar disputas entre brancos e negros, homens e mulheres, heterossexuais e homossexuais, pobres e ricos (o famigerado 1%) é tática comum entre essas duas figuras que pretendem transmitir uma imagem de pacifistas, mas só o que fazem, na prática, é semear o ódio na busca pelo poder.

fullscreen-capture-10282016-104048-am-bmp

Pergunta do Sogro: seu Jair me indagou, certa feita, quem foi o presidente americano que mais ajudou a transformar aquela nação em um terra tão próspera e com índices de desenvolvimento humano tão altos. A resposta correta é, claro, NENHUM: foi justamente a pouca intervenção estatal que possibilitou que os próprios cidadãos criassem tanta pujança nos Estados Unidos. E, neste quesito, nenhum dos dois candidatos se destaca, mas não tenho dúvidas de que o plano de governo de Hillary representa maiores obstáculos ao empreendedorismo. Aumentar o salário mínimo na marra, gerar empregos por meio de obras de infraestrutura, sobretaxar os ricos: o que é isso? Uma CARTA AO POVO AMERICANO às avessas?

Ademais, não podemos olvidar das relações atualmente pouco amistosas entre USA e a Rússia (fruto da atuação desastrosa de Obama na Síria). Afirmar que Vladimir Putin apoia Trump passa a falsa impressão de que eles compartilham dos mesmos ideais, mas, na verdade, eles nada possuem em comum. O que ocorre é que Hillary adota uma postura globalista, e, portanto, quer interferir na politica do mundo todo. Isso ameaça o domínio Russo no oriente. Por outro lado, Trump é nacionalista, e, portanto, anti-globalista – já avisou que sua única aventura no exterior será para destruir o ISIS, e se a OTAN pleitear o apoio do Tio Sam em outros conflitos, vai ter de coçar o bolso. Assim, ele não representa tanto perigo para a expansão da “Mãe Rússia”. As chances de a América envolver-se em uma guerra, portanto, é muito maior com Clinton do que com o suposto “bufão”. E, convenhamos, nada melhor do que uma guerra para autorizar o Estado a gastar desmesuradamente e para forjar figuras políticas “heroicas” – bem o que a Esquerda mais gosta de fazer. Dilma até cogitou decretar estado de exceção antes de ser defenestrada, o quase-ministro Lula queria gastar nossas reservas em dólar, mas felizmente ficou só no sonho dos companheiros transformar nosso país em cenário de The Walking Dead.

O filho pródigo: a parábola do Novo Testamento conta a história do pai que desiste de convencer o filho de ir embora de casa, e deixa-o partir com sua parte da herança, sabedor de que este desperdiçaria tudo e retornaria muito mais humilde, como, de fato, acontece na estória. Talvez os pais fundadores da América, seja lá onde estiverem, estejam na mesma situação retratada no texto bíblico: o povo americano parece mesmo disposto a viver uma desventura irresponsável, e, se não for mesmo possível demovê-lo da ideia com argumentos, só mesmo a experiência traumática poderá trazê-lo de volta à razão.

O desprezo de Hillary pela vida dos americanos, demonstrada em sua omissão criminosa no atentado terrorista em Benghazi, deixa patente que não será sem cicatrizes que a América irá livrar-se deste processo, mesmo após seu eventual mandato – ela deve vir a nomear mais três juízes para a suprema corte, a propósito. Esperemos, pois, que esta sensação de Déjà vu seja, na realidade, uma ilusão de ótica. E a maior esperança neste sentido reside no chamado “efeito Bolsonaro”, visto que muitos eleitores de Trump, com receio da patrulha politicamente correta, costumam não revelar aos pesquisadores que vão votar no Republicano.

Obama recentemente declarou que “votar em Trump significa desfazer tudo o que eu fiz em oito anos”. Propaganda eleitoral em favor de Trump melhor do que essa ninguém do GOP conseguiria fazer…

cwhve-5uqaabnih

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

4 comentários sobre “Nós já Vimos este Filme em 2014 – e Não Tem Graça Alguma, América!

  1. Muito do poder de uma eleição (CAMPANHA) tem a ver com a NARRATIVA.
    E muito de 2014 (a campanha do PT custou várias, várias!, “Senas” acumuladas!) teve a ver com aquele papo bem articulado por João Santana (brilhante publicitário):

    ¿Lembram-se do apelo mítico pelo «Coração Valente»??

    Por exemplo, “Golpe” é propaganda de sabonete!

    Ainda o PT tem o poder das NARRATIVAS. Perceba as ocupações e invasões de escolas secundárias e as contradições presentes… Ou, também, por outro lado, observar os nossos impulsos e comportamentos diários no âmbito da pu-bli-ci-dade… Que é uma espécie também de NARRATIVA (imagens; embalagens; fotos suculentas; slogans; frase-clichê: tipo «Coração Valente»).

    Por exemplo, analisando apenas uma frase-clichê de a pouco, a “não vai ter golpe” (substituída dissimulada e suavemente pela mais “moderninha”, ” chique” e mais recente “Fora Temer”). Veja:

    “Golpe” é sabonete com proteína.

    GOLPE é papo furado… Fique atento, reflita e pense. É clichê publicitário Petista (o dito «SLOGAN», compreende?). Do tipo que vem escrito nas caixinhas de SABONETE com proteína do leite e karité, hidratação DUPLA.

    SUI-GENERIS:
    Cabeças arejadíssimas e sui-generis são críticos do PT…
    Não é aquele papo repetitivo de Petistas, não… Confira e analise, para confirmar isso. Reflita.

    Eis:
    AS FRASINHAS DO PT: “casa grande e senzala”; “burguesia”; «”velha mídia”»; “pobre viajando de avião”; minha casa minha vida; “PRONATEC” (a maior picaretagem do planeta!); “não vai ter golpe” substituído por “fora Temer”; “coxinha”; a picaretagem máxima de rir: “fascista” (inflação total do conceito!); “luz para todos”; “Coração Valente” e o clássico: “Nunca na história desse país”…, do Molusco.

    O PCdoB (puxa-saco SEM IDENTIDADE própria) assina embaixo de TUDO do PT!

    Não subjuguem esses partidos. Estão sempre com a narrativa e domínio da linguagem em todas perspectivas e horizontes possíveis. Fiquem atentos a narrativas do Petismo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s