EUA na vanguarda: Trump pretende privatizar o controle de tráfego aéreo

Resultado de imagem para air traffic control atlanta

Donald Trump anunciou recentemente que, como parte de um conjunto de medidas que visam reduzir o orçamento federal americano (trata-se de um ajuste fiscal cuja finalidade é adequar os gastos estatais ao corte de impostos planejado por sua equipe econômica, em torno de 15%), irá propor aos congressistas a transferência para a iniciativa privada das operações de controle do tráfego de aeronaves civis, hoje sob a responsabilidade da FAA (Federal Aviation Agency).

Tal providência, segundo consta da propositura, lograria conter em 13% (US$2,43 bilhões) as despesas anuais do Departamento de Transportes daquele país. Ademais, possibilitaria que o setor privado expandisse os investimentos nas novas tecnologias de rastreamento via satélite – evolução esta que, nas mãos do Estado, vem tardando a acontecer -, de forma a substituir e aposentar a detecção por radar.

As críticas daqueles que se opõem à ideia vão basicamente todas em uma única direção: os aeroportos e as rotas aéreas passariam a ser gerenciadas (por gerenciar, entenda-se: prover a fluidez das aeronaves com segurança e agilidade, tanto no solo quanto no ar) por empresas vencedoras dos processos licitatórios, o que poderia conduzir a abusos na fixação de preços de tarifas para uso dos serviços e até mesmo inviabilizar o acesso de companhias não detentoras de direitos de exploração.

Para o azar destes críticos, uma simples analogia com as estradas pedagiadas joga por terra seus rasos argumentos. Basta comparar estradas administradas pelo governo e seus queijos suíços em profusão com rodovias cuja manutenção foi concedida a conglomerados privados. Chega a ser covardia.

o controle de tráfego aéreo, por definição, é um serviço prestado por controladores, em terra, que acompanham, orientam e monitoram o percurso de aeronaves no ar e no solo, por meio de comunicações via voz ou dados, para garantir um fluxo seguro, ordenado e expedito.

Nas aerovias, portanto, não será diferente das vias terrestres: quando o Estado tenta bancar o empresário, o resultado é necessariamente desperdício de recursos extraídos do setor produtivo e baixa qualidade dos serviços entregues aos usuários – para não mencionar que são geradas, a partir desta mentalidade estatista, inúmeras oportunidade para atos de corrupção.

Basta recordar, neste sentido, a sucessão de eventos que ocorreram no Brasil em 2006/2007, quando paralisações no setor aéreo foram deflagradas e duraram meses, ocasionadas pela maneira amadora com que a FAB e a Infraero o administravam. Tudo teve origem, para não variar, na (inerente à esfera pública) falta de mecanismos de estímulo adequados (lucro e prejuízo) que pudessem ter motivado as autoridades responsáveis a tomarem medidas de gestão para evitar aquele caos, como foi explicado neste artigo.

Além disso, graças à redução da carga tributária (ou do endividamento governamental, ao menos) possibilitada pelo desencargo da administração pública em relação a uma atividade específica por ela outrora realizada, tornam-se muito mais condizentes com a realidade as relações comerciais decorrentes, visto que somente aqueles que, de fato, fazem uso do bem ofertado (no caso, a estrutura aeroportuária e de vigilância aérea) devem vir a pagar por sua utilização, dispensando os demais cidadãos de arcarem com tais custos.

Este pacote de enxugamento do Estado promovido por Trump equivale, grosso modo, ao que prometeu realizar Michel Temer logo que assumiu a chefia do Executivo Federal por aqui – mas que ficou muito longe de ser cumprido, tendo sucumbindo nosso mandatário facilmente aos interesses dos grupos de pressão e corporativistas.

Somando os efeitos positivos deste procedimento com a política de corte de regulações (burocracia desnecessária), o ambiente de negócios da América tende a tornar-se mais saudável e atrair mais investidores – não à toa, o desemprego por lá já encontra-se no menor nível dos últimos 28 anos. A privatização do controle de tráfego aéreo consiste, portanto, em uma das mais importantes alterações estruturais do atual governo.

Mas que ninguém pense que será tarefa simples colocar este projeto em prática.

Em seu primeiro ano na Casa Branca, Ronald Reagan enfrentou uma greve de profissionais do ATC (Air Traffic Control). Tratava-se de uma ação que hoje seria facilmente enquadrada como obra do “deep state“, ou seja, de empregados do governo que tentam sabotá-lo por dentro.

Tal evento desafiou precocemente sua capacidade de conter crises. Ele não deixou por menos, considerou o movimento ilegal e demitiu a quase totalidade dos controladores, substituindo-os por funcionários treinados secretamente para este fim, em uma das mais significativas derrotas sindicais da história.

Margareth Thatcher também não teve vida fácil durante o processo de desestatização que conduziu durante sua mais de uma década no cargo de primeira-ministra, mas nem por isso deixou por menos: levou adiante o programa que reduziu em muito a fatia ocupada pelo governo no PIB e afastou o país dos arroubos de inclinação socialista que o assombravam então.

Nem tampouco Roger Douglas e Maurice McTigue encontraram facilidades na nova Zelândia ao trilharem o caminho da austeridade monetária e fiscal, abolição de tarifas protecionistas, redução de privilégios e da máquina pública, mas sua persistência premiou o país da Oceania com o resgate da alta renda per capita e de outros índices positivos que haviam sido perdidos para a mentalidade anticapitalista.

Não temos como imaginar, pois, que Trump irá voar por céus de brigadeiro em sua tentativa de tornar a administração pública mais enxuta e racional. Ventos de tempestade se avizinham por certo. Mas nem por isso ele deve cogitar desistir de seguir em frente.

Quando um governo, afinal de contas, afasta-se demasiadamente de suas funções legítimas – proteção contra a violação de direitos negativos (especialmente a vida e a liberdade), da propriedade privada e imposição do cumprimento de contratos celebrados voluntariamente -, ele acaba não conseguindo nem executar tais tarefas afeitas à sua natureza, nem desempenhar com presteza aqueles papéis que podem (e devem) ser delegados ao sistema de livre concorrência.

Na pior das hipóteses, quando a competição entre empreendedores, na prática, é deveras restrita pelas próprias características daquele ramo (e este é o caso do controle do espaço aéreo, pois seria inviável manter mais de um agente responsável pela supervisão dos voos em uma mesma porção de espaço aéreo ou aeródromo), devem ser outorgadas a particulares licenças para operação sob regime de regulação estatal.

Sabemos por experiência própria, a partir de nossa baixíssima satisfação para com investidores de setores controlados por agências reguladoras, como os de telefonia, planos de saúde e até mesmo o de companhias aéreas, que este nunca é o melhor dos mundos, e, por isso mesmo, tal arranjo envolvendo o Estado como terceiro elemento entre consumidores e fornecedores  deve(ria) ser relegado a um mínimo necessário – donde vem a expressão Estado Mínimo que causa urticárias na esquerda. Mas, de toda forma, é melhor do que deixar o monopólio na mão do governo, sem dúvida.

Ah, sim: caso não tenha ficado claro para alguém, a Força Aérea Americana (USAF) seguiria normalmente com suas funções de defesa da soberania pelo ar, controlando, em coordenação com as empresas que cuidariam do tráfego civil, suas aeronaves militares.

O inovador plano de Trump para o espaço aéreo americano tem tudo para dar certo e servir de exemplo para o resto do mundo. Até mesmo o Brasil já estuda adotar modelo semelhante por aqui, com expectativa de redução de custos na casa dos 30%. Oxalá seja mesmo implementado.

Trump I

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

7 comentários sobre “EUA na vanguarda: Trump pretende privatizar o controle de tráfego aéreo

  1. Em nosso caso, não existe essa separação entre o controle de trafego e o do espaço aéreo. Tudo é feito pelo militares, sempre e os gastos muito provavelmente não mudariam. Mas não como comparar o nosso fluxo com o deles. É um absurdo a diferença.

    Curtir

  2. No Brasil iria acontecer exatamente como com a privatização das estradas e aeroportos: aumento do custo para o cidadão (pedágios caríssimos e aumento nas taxas de embarque!) e redução de imposto que é bom, nada…. Quem acha que estrada no Brasil só é boa se for privatizada, uma viagem à Paraíba vai bem! E também uma viagem à Europa pra comparar com as estradas privatizadas de lá e ver como o pedágio brasileiro é caro e o serviço oferecido deixa muito a desejar.

    Curtir

    1. Tudo bem, Sarah?

      Se os impostos não chegam a ser reduzidos, ao menos é possível reduzir o déficit orçamentário estatal, diminuindo a necessidade de impressão de dinheiro e de captação de recursos pelo governo via títulos do Tesouro – o que, por si só, possibilita redução (sustentável) da inflação e da taxa básica de juros, proporcionando maior capacidade de investimento dos agentes privados.

      Se as estradas da Paraíba são boas sob administração estatal, esta é uma exceção da regra, e não a regra. A regra, para saber, basta olhar para o restante do país.

      Se as estradas pedagiadas na Europa são melhores e mais baratas do que as nossas estradas pedagiadas, isto é fruto, justamente, de distorções causadas pelo modelo regulatório, o qual, como dito no texto, nunca é o ideal, por envolver o governo como parte no negócio (abrindo brecha para favorecimento de amigos do rei), mas como o livre mercado não lograria criar concorrência neste setor da atividade econômica, é o que tem para hoje.

      Abraço e apareça sempre.

      Curtir

  3. No Brasil, deveríamos começar abrindo o mercado aéreo, abolindo as leis arcaicas que proíbem empresas estrangeiras de operarem por aqui. Num segundo momento, abolir a Infraero.

    Aliás, leis arcaicas é o que mais temos por aqui: Estrangeiros não podem ter empresas de notícias, terras em uma faixa de 150 km das fronteiras… Tudo isso para “proteger” (sic) o patrimônio e a soberania nacional.

    Não é difícil começar. Há caminhos menos espinhosos para que os primeiros sejam dados. Infelizmente, o que falta é vontade.

    Curtir

    1. E o que faz “faltar vontade” é justamente nossa cultura que vê no Estado o ente provedor que deve nos proteger dos capitalistas gananciosos. Como naquela frase de Fiódor Dostoiévski, referindo-se à relação entre governantes e governados: “Ao final, eles vão colocar a própria liberdade aos nossos pés dizendo: façam de nós vossos escravos, mas nos alimentem.”

      Abraço.

      Curtir

      1. Perfeita a síntese. De fato, vemos pessoas sacrificando a liberdade, em troca de migalhas de pão (sim, INSS, estou olhando para você).

        Essa frase entrará para a minha lista de aforismos!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s