Filho processa a mãe por tomar seu celular? Ah, vá estudar, moleque!

img-4119-foto-11490365911

Li ontem no site de temática  jurídica Jusbrasil uma notícia assaz eloquente por si própria:

Um adolescente de 15 anos processou a própria mãe depois que esta lhe tomou o celular para que ele parasse de jogar e se concentrasse nos estudos.

O caso aconteceu em Almería, na Espanha. Era 28 de fevereiro, quando se comemora o Día de Andalucía e, portanto, feriado. O site La Voz de Almería reporta que María Angustias H. H, de 37 anos, queria que o filho largasse o aparelho; como ele não o fez, ela decidiu pelo confisco, o que fez com uso “leve” de força, segundo afirma.

O caso foi parar nas mãos de Luis Miguel Columma, magistrado do Penal 1, que não só absolveu a mãe como ainda lembrou que a lei exige que ela tome atitudes como aquela, já que é dever dos responsáveis garantir que as crianças e adolescentes do país tenham boa educação.

“Ela não seria uma mãe responsável se permitisse que seu filho se distraísse com o celular e falhasse nos estudos”, afirmou Columma na sentença.

Muy bien, meritíssimo! O movimento de escala global que busca retirar dos pais – e transferir para o Estado – a responsabilidade pela educação de nossos filhos precisa tomar umas pauladas desse tipo com mais frequência.

Sim, é da família a incumbência de transmitir valores às próximas gerações. E a seus arrimos é facultado, por conseguinte, impor proibições, determinar limites e aplicar punições se necessário. O rebento indisciplinado não quer cessar a diversão e fazer seus deveres escolares?  Nada que um puxão de orelha não possa resolver. Opressão? Até parece: respeito às figuras materna e paterna é algo de tal sorte importante que mesmo uns bons beliscões justificam-se no caso.

É desse aprendizado, afinal, que brotará o cidadão cumpridor de regras, o bom funcionário, o ser humano ciente de que o mundo não gira ao seu redor, o empreendedor que fica rico gerando valor a seus próximos, a pessoa que sabe distinguir o certo do errado, o adulto capaz de reconhecer as ocasiões em que deve refrear suas vontades e agir pensando nas consequências de seus atos, o indivíduo sabedor de que deve correr atrás do que deseja possuir em vez de simplesmente exigir dos outros.

O amadurecimento experimentado sob a tutela familiar é, pois, o que permite manter intacto o arcabouço moral que nos trouxe ao estágio atual de civilização e desenvolvimento, e que nos diferencia dos animais – os quais, a cada nova ninhada, partem do zero seu aprimoramento como espécie. Nossa avançada linguagem nos permite aprender muito com os que pisaram neste mundo antes de nós, possibilitando enxergar longe apoiado em seus ombros de gigante. Mas, para isso, por vezes é necessário que o gigante fale grosso – ou de nada servirá sua altura, e os ensinamentos que ele poderia passar adiante perdem-se de forma irrecuperável.

Admira-me muito a cara-de-pau do advogado que representou este menor em juízo. Decerto pretendia que o judiciário deixasse claro, em sua decisão, que filhos não devem obediência a seus genitores e que só precisam estudar, portanto, se assim lhes aprouver – contribuindo tanto para desestabilizar os núcleos familiares quanto para formar seres humanos mimados e totalmente despreparados para as agruras da vida (e muito burros, claro).

Retirar a autoridade dos pais é impossibilitá-los de restringir as atitudes dos filhos, resultando em um cenário esquizofrênico: são eles os legalmente responsáveis pelos desvios de condutas cometidos pelos adolescentes antes da idade de dezoito anos; mas como será possível, então, orientá-los e mantê-los na linha se até olhar feio der azo à processos judiciais?

Screenshot_2017-03-26-22-12-49-1

Já não fosse suficiente a famigerada Lei da Palmada intervindo na criação dos filhos, agora também o “uso leve de força” será visto como reprimenda desproporcional e inadequada ao mundo “progressista” em que vivemos? Castigos sem video-game passarão a justificar multa e perda da guarda da criança, e seu envio a um orfanato estatal? É bom nem dar idéia.

Está ficando tão complicado educar a prole conforme os próprios desígnios, sem desagradar o padrasto governo e seguindo à risca o script politicamente correto, que tal conjuntura acaba gerando uma forte sensação de medo de ter filhos, como se fosse a situação mais antinatural e difícil do mundo de encarar. E adivinhe se esse sentimento – somado à libertinagem sexual (ela também fruto da falta de uns cascudos) e às decorrentes gravidezes indesejadas e precoces em profusão – contribui para que ocorram mais ou menos abortos?

Percebam como a distorção da realidade que afeta esses “senhorzinhos satisfeitos” descritos por Ortega y Gasset – e que os previne de constatar que a comida em sua mesa não surge por materialização espontânea – atingiu um nível tal que o dependente aciona o Estado para cobrar dinheiro daquele que o sustenta. Caso tivesse sido atendido em sua postulação, poderia até mesmo vir a faltar…comida em sua mesa, como consequência. E aí a solução seria qual? Ingressar com nova ação judicial alegando maus tratos, quem sabe? Eis aí a insanidade que se pode produzir quando resolvemos solicitar a agentes estatais que lidem com a roupa suja que deveria ser lavada em casa.

Lamentável o episódio narrado, amenizado tão somente pelo arrazoado do magistrado espanhol. Theodore Dalrymple, em sua obra “Podres de Mimados – as consequências do sentimentalismo tóxico”, aponta o Estado de bem-estar social como culpado pela infantilização dos indivíduos, que são tratados como crianças irresponsáveis, dissociando os conceitos de direito e dever. Passos na contramão deste processo de involução da humanidade são sempre muito bem-vindos, portanto.

Mas não pensem que esse povo que vê a família como inimiga número um da felicidade geral da nação – muito embora nenhum deles tenha sido criado em chocadeira – vai desistir fácil. A próxima petição já está em vias de ser protocolada na vara de justiça: indenização por não deixar a menina de dez anos ir ao baile funk, caracterizando incontestável cárcere privado. Por falar em vara, que falta uma de marmelo faz nessas horas…

Ah, o dever de casa era de Sociologia, Karl Marx e mais valia? Devolve o celular aqui para o rapaz então. Tá liberado!

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

7 comentários sobre “Filho processa a mãe por tomar seu celular? Ah, vá estudar, moleque!

  1. Certeza que a intenção do advogado era menos ajudar a orientar um “direito” juvenil do que gerar nova jurisprudência e virar um ícone pop das causas revolucionárias “anti-família”. Essa atitude lacradora, potencializada pelo politicamente correto, é torturante para pessoas normais. Que xaropice, meu pai resolveria essas frescuras com sua sandália de couro marrom!

    Curtir

  2. Ia comentar, mas citaste Theodore Dalrymple, este advogado, esta criança, são apenas reflexos de uma sociedade infantilizada como um todo. “Crianças” de 18, 19 anos que só querem jogar video-game, e usar facebook, ao invés de irem pra uma faculdade, ou então começar a trabalhar; “crianças” de 25 anos, que ainda moram com os pais e sequer cogitam começar a própria vida; “crianças” de 30 anos que, já querem emprego de gerentes e diretores, sem passar pelos cargos de office-boy, vendedor… Enfim, vivemos em uma sociedade doente.

    O bom pai e mãe, não é aquele que meramente ensina os filhos, mas aquele que cria as condições para que seus filhos eduquem seus filhos. Ou como diz um certo livro, escrito há muito tempo, e odiado pelo pessoal do politicamente correto: “Ensina a criança no caminho que deve andar, e quando for velha, não se desviará dele”.

    Curtir

    1. Pois é, Leonardo, no nosso tempo os pais educavam ainda que precisasse usar de rispidez, nós ficávamos brabos na hora, mas quando crescíamos concluíamos “ainda bem que meus pais me disciplinaram”. Agora mudou: as crianças e adolescentes são criadas “na flauta”, mesmo assim ficam brabos com os pais, e quando crescem devem pensar “por que meus pais não me educaram?”. Outros tempos…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s