Mais mulheres na Política? Basta Elas Quererem!

tse-i

O Tribunal Superior Eleitoral, em março do corrente ano, resolveu gastar dinheiro dos pagadores de impostos lançando uma campanha intitulada “Igualdade na Política”, cujo objetivo consiste em incentivar a participação feminina nos pleitos eleitorais. Conforme declaração do presidente do órgão, seria missão precípua do Estado brasileiro corrigir a discrepância entre o número de mulheres em nossa sociedade e sua representação em cargos eletivos. Com este intuito, até mesmo estipular cotas de candidatas por partido (já em vigor) ou número mínimo de mulheres em casas legislativas (iniciativa que já tramita como PEC no Senado) seriam medidas perfeitamente justificáveis. De se lamentar que a lógica – bem como a busca pela eficiência e pelo interesse público –, esta velha inimiga do discurso feminista e vitimista, não dê suporte a nada disso.

Uma das peças publicitárias divulgadas pelo TSE torna evidente, a partir das informações que ela própria veicula , essa contradição: segundo consta, 51% do eleitorado nacional é composto por mulheres – ao passo que elas ocupam apenas 9% das vagas em cargos políticos. Ressalte-se ainda que, nas eleições municipais de 2016, pela primeira vez, o eleitorado feminino será maior que o masculino nos 26 estados onde haverá votação no dia 2 de outubro. E aí está o pulo do gato: se a maior parte dos cidadãos que irão votar são do sexo feminino, elas poderiam, em tese, eleger todas (sim, todas) as candidatas nesta eleição, sem precisar de nenhuma tutela estatal que lhes confira privilégios e tratamento diferenciado. Elas poderiam simplesmente defenestrar grande parte dos homens da política, se assim o quisessem. Só que, aparentemente, elas não querem. Por qual razão?

Em primeiro lugar, aparentemente (e felizmente), as mulheres tem sido pouco “corporativistas” na hora de escolher representantes. No momento de optar entre um homem e uma mulher que pedem seu voto, tudo leva a crer que elas tem dado preferência ao melhor candidato (em sua avaliação subjetiva), independente do sexo. Como dizia Gugu Liberato em seu programa dominical, “ponto para as mulheres”: nomear o administrador de orçamentos bilionários é uma tarefa relevante demais para deixar a cartada sexual falar alto e influenciar a decisão a ser tomada. Diferentemente do papelão protagonizado por Mirian Leitão e outras “progressistas” quando da formação do ministério de Michel Temer, ocasião em que a famigerada “luta de classes” foi trazida de volta ao centro da arena de debates, a maior parte das brasileiras têm privilegiado outros critérios perante a urna além de, simplesmente, analisar se o aspirante ao cargo usa saia ou calça. Se assim não fosse, Gleise Hoffman seria governadora do Paraná – nos livraram desta, as quistas conterrâneas paranaenses.

Mas alguém poderia alegar que o número de mulheres que se filiam aos partidos políticos ainda é relativamente baixo. De fato, nas eleições de 2016, 31% dos candidatos são do sexo feminino. Até mesmo o Partido da Mulher Brasileira (PMB) registrou apenas 43% de candidatas. Todavia, as questões que merecem ser levantadas aqui são: há mulheres interessadas em participar do mundo político para alavancar essas estatísticas? Há registro de partidos políticos rejeitando mulheres que gostariam de disputar cargos? A resposta para estas perguntas podem ser encontradas na dificuldade de muitos partidos em preencher a cota mínima de candidatas. Ou seja, se, por razões de ordem diversa, as mulheres do Brasil preferem manter-se afastadas do ambiente político, não é o Estado quem deveria empurrá-las “na marra” para os palanques eleitorais. Na verdade, elas não deveriam ser constrangidas a seguir carreiras de espécie alguma, e sim encorajadas a fazer o que bem entendessem de suas vidas – inclusive, se for de sua vontade, cuidar do lar e dos filhos. Mas é claro que os partidários da agenda feminista não concordam comigo. Quem sabe, na opinião destes, o próximo estágio não seja, então, demandar cotas femininas em todas as profissões; já passou da hora de termos mulheres laborando como estivadoras nos portos e jogadoras de futebol americano, não é mesmo?

“Ah, mas o meio político é muito machista, e por isso as mulheres querem dele distância”. Bom, neste caso, a solução é simples: bastaria que as interessadas formassem novos partidos políticos compostos majoritariamente por mulheres. E, uma vez mais, a predominância feminina no eleitorado facilitaria a missão: a Lei nº 9.096/1995 admite o registro de partido político de caráter nacional caso seja comprovado o apoiamento de um número mínimo de eleitores. E, levando em conta os índices alardeados pelo próprio TSE (os tais 51% de eleitoras), elas poderiam promover tal empreitada sem grande esforço. E, notadamente, sem socorrer-se do Estado. Aliás, seria especialmente interessante se um partido que pregasse os fundamentos do livre mercado fosse formado essencialmente por mulheres, uma vez que o capitalismo desempenhou papel fundamental na emancipação feminina nos últimos 200 anos. Contariam com meu voto, certamente!

 O TSE tenta induzir as mulheres a interpretarem o papel de “vítimas da sociedade patriarcal”, em mais um capítulo do esforço patético e recorrente de formar “minorias”, as quais necessitariam do suporte do Estado em suas vidas, sem o qual não seriam capazes nem de dar dois passos em frente. Só que escolheram muito mal seus potenciais objetos de massa de manobra: as mulheres já deram diversos exemplos na história de que elas, de fracas e dependentes, não têm é nada – Margareth Thatcher, Joice Hasselmann e Janaína Paschoal não me deixam mentir. Mas candidatas com este perfil a esquerda não endossaria, por certo. Quer apostar?

Aliás, resolver esse imbróglio todo poderia ser muito mais descomplicado do que se imagina – seria possível, inclusive, canalizar o dinheiro desperdiçado nessas campanhas publicitárias para a Saúde, por exemplo. Bastaria seguir algumas orientações da cartilha “progressista”, segunda a qual o gênero do indivíduo é autodeclarável – muito embora nem todos concordem com isso. Quem sabe alguns candidatos não pudessem, então, declarar que se sentem mulheres, até atingir o número mínimo pretendido pelo TSE, e pronto. A genialidade da simplicidade resolvendo mais um conflito…

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

2 comentários sobre “Mais mulheres na Política? Basta Elas Quererem!

  1. Cotas de qualquer tipo para as cadeiras das casas legislativas é um absurdo. É antidemocrático, pois vai subverter a vontade do eleitor. E da eleitora, pelo visto. Um abraço.

    Curtir

    1. Estas medidas populistas nunca têm substrato na vida real, Alexandre. É como achar que pessoas de baixa renda apoiam socialismo. Que nada: pobre quer é dinheiro, para poder melhorar de vida. Esses burocratas, ao criar estas políticas, levam em consideração uma sociedade irreal, fantasiada a partir de seus escritórios com ar-condiconado. Até parece que eles vão chegar perto do povão pra ver como são suas vidas de fato. Abraço

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s