Pokémon Go na mira da burocracia

pokemon-go-275x206

Artigo publicado pelo portal parceiro deste blog VoltemosaDireita.com:

Por Fernando Fernandes:

Fenômeno ou modinha? A nova sensação do momento é o jogo de realidade aumentada Pokémon Go.  Elogiado por milhares de entusiastas de jogos, justamente por tornar ogameplay algo muito menos sedentário e isolado,  incentiva que gamers interajam pelas ruas e praças do “mundo real” ao invés de se enclausurarem no “mundo virtual” para pegar seus Pokémons..

O jogo desenvolvido em colaboração entre a Niantic Inc., Nintendo e a The Pokémon Company despertou seu gigantesco universo de fãs, entre eles muitos adultos nostálgicos, prometendo promover a experiência de transformar a nossa paisagem offline em uma escala nunca vista antes.

Tal como outras tecnologias disruptivas como Netflix, Uber, AirBnb, Spotify e até o Facebook, o jogo da gigante japonesa não é um mero acaso, mas é o fruto de uma série complexa de redes de indivíduos em muitos lugares do mundo, seja em cooperação ou em regime de concorrência, que criaram as condições para tornar possível a popularização dos microcomputadores e dossmartphones.

Apenas um sistema econômico livre com esse, e que assegure a propriedade privada, é capaz de criar o incentivo adequado para que o lucro surja como um prêmio às benfeitorias ou bem-estar gerados pela criatividade e por soluções inovadoras. Entretanto, assim como no Brasil, pelo mundo afora ainda existem burocratas com certa fixação mórbida pela regulamentação da atividade econômica. Uma sanha autoritária que deseja restringir as liberdades individuais e nossa capacidade de encontrarmos soluções inventivas para os problemas.

Da Rússia vem o exemplo típico dos “estadólatras”, honrando sua tradição autoritária. Por lá os funcionários do governo já determinaram que o jogo não será tolerado em ambientes com significado religioso, nos cemitérios ou repartições do governo. Ademais, deixam claro que poderão ser impostas outras restrições ao jogo que venham a considerar necessárias para, supostamente, garantir a segurança dos jogadores. Especula-se que jogadores pegos jogando nas fronteiras internacionais ou dentro igrejas poderão ter até três anos de prisão.

Em Nova Iorque, um deputado está considerando a elaboração de algum tipo de regulamentação para restringir o jogo, alegando que “Pokemon GO”, que envolve o combate entre “monstrinhos digitais” poderia conduzir a “trágicas consequências no mundo real”.  O político democrata Felix Ortiz, uma espécie de mistura entre a Bela Gil e o Edir Macedo –  em razão da sua luta pela proibição do uso de sal em restaurantes, os impostos sobre o álcool, açúcar e bebidas, bem como clubes de strip-tease – diz que a Nintendo deveria ter uma responsabilidade solidária no caso de problemas ligados ao App que representarem risco à segurança pública ou no distúrbio da tranquilidade local.

Como o caro leitor pode perceber, nem a “land of oportunity” fica de fora do apreço por criar barreiras à liberdade. É evidente que ambos os países usados como exemplo já possuem legislações contra a invasão de propriedade, a exposição de bens a perigo e, principalmente, contra a condução usando celular. Contudo, o desejo – mesmo o bem intencionado – de alguns políticos por tutelar em nome “do povo”, “da comunidade” e outros abstratos coletivistas só fazem diminuir as condições necessárias para as redes de indivíduos que falamos anteriormente: aquele que constrói um sistema criativo, inventivo e economicamente livre.

De modo algum a regulamentação é essencial para o desenvolvimento econômico ou sequer necessária para enriquecer e fazer prosperar um país. Diferente daquilo que parece ser o senso comum brasileiro, regulamentar qualquer atividade é um enorme ciclo vicioso. Escravizam-se os talentos e os esforços pessoais para favorecer dinastias políticas. Rouba-se os recursos dos investimentos em produção para injetá-los em lobbies, politicagem e corrupção.

A regulamentação não protege o empreendedor nem o consumidor! Ela favorece o burocrata, o político, o parasitismo governamental. Governos intervencionistas não se contentam em criar as supostas “regras do jogo”. Ao contrário, fazem que as tais “regras” sejam ruins ao ponto de que seja obrigatório recorrer a um parasita do governo para ser possível jogar “o jogo”.

O desejo de regulamentar é o mesmo de corromper. Vence, aqui, quem entrar no esquema que define os vencedores.

 

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s